quarta-feira, 30 de novembro de 2011

STEEI REALIZA ELEIÇÃO NESTA QUINTA-FEIRA, 01/12/2011

Acontece nesta quinta-feira, 01 de dezembro, a eleição do Sindicato dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Ensino de Imperatriz – STEEI, urnas fixas e volantes percorrerão todos os locais de votação das 7:30 às 20 horas. Todos os trabalhadores sindicalizados aptos a votar deverão, entre o horário de trabalho, procurar o local onde a urna está instalada para decidir entre as 4 chapas concorrentes.

Todo o processo eleitoral foi organizado pela comissão que tem participação mássiça dos trabalhadores do SINDSAUDE. Dessa forma, todo o processo tende a ter toda lisura necessária para os concorrentes e os sindicalizados que decidirão pela continuação da direção atual que concorre à reeleição ou pela mudança.

O STEEI é um dos sindicatos mais atuantes de Imperatriz, e sem sombra de dúvida que tem importância estratégica para a atual gestão municipal, que de forma disfarçada deve está apoiando alguma das chapas concorrentes.

Estaremos participando como mesário em um dos pontos de votação. Assim que tivermos informação sobre o resultado divulgaremos aqui no blog.

terça-feira, 29 de novembro de 2011

MILITARES DO MARANHÃO FAZEM LUTA DE CLASSE

Contradizendo muitos falsos partidos de esquerda que se entregaram à ideologia neoliberal e dizem reconhecer que não há mais luta de classe tiveram nesta terça-feira, 29/11, um exemplo – assim como os demonstrados na “primavera árabe” em curso nos países árabes – de que a classe trabalhadora sabe se posicionar contra seus opressores.

Os policiais militares e bombeiros têm demonstrado neste processo grevista uma força que faz o governo Roseana cada vez mais se desgastar perante à opinião pública devido a intransigência ao não sentar para negociar com os trabalhadores da segurança pública do Maranhão. Nessa onda, policiais civis e peritos, cansados em esperar o chamado do governo para ouvir as reivindicações dos trabalhadores também aderiram à paralisação como forma de chamar a atenção do governo.

O sistema de comunicação de propriedade da família Sarney se limita a ler notas oficiais do governo do estado e informar a manutenção do piquete de greve instalado em São Luís e Imperatriz. Até o momento a emissora não foi até os manifestantes ouvi-los e passar para a sociedade a real situação dos trabalhadores da segurança pública.

Em nossa fala de apoio aos trabalhadores e trabalhadoras destacamos o exemplo de luta de classe que os policiais vêm dando e alertamos para as armadilhas da conciliação de classe, que na história tem beneficiado os patrões. Essa preocupação ficou mais evidente nas declarações do Advogado Daniel Souza – advogado que tem dado assessoria ao movimento local – que deixou subentendido em suas palavras de que o movimento não pode se perdurar por muito tempo, e que é preciso fazer uma conciliação. E nosso ponto de vista, ele como assessor jurídico deve si conter a dar o suporte jurídico necessário e deixar a decisão de por fim ou não à greve a governadora Roseana, pois foi ela que levou a paralisação dos trabalhadores ao não cumprir com o acordado na última paralisação, o de sentar e negociar o cumprimento das exigências por direitos dos trabalhadores.

Ao final da manifestação um porta-voz do piquete informou que alguns policiais – admitidos em 2007 – cederam às pressões e ameaças de demissões feitas pelo governo do Estado e resolveram se apresentar aos seus comandantes, todos foram imediatamente detidos - presos -, nos quartéis. É comum a estratégia terrorista contra os trabalhadores que procuram garantir direitos, como é o caso dos militares do Maranhão.

Os movimentos sociais que dão apoio aos grevistas respeitarão qualquer decisão tomada pelo representante, em consulta à base, sobre o fim ou não da paralisação, até lá, apoia a decisão que é de resistir até a vitória.

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

CAMPANHA DOS 10% DO PIB PARA A EDUCAÇÃO PÚBLICA EM IMPERATRIZ

Com as urnas do plebiscito instaladas na UEMA, na UFMA, no STEEI e outra volante Imperatriz está engajada na defesa por uma educação pública e com recursos necessários à demanda do futuro de nossa nação.

Durante toda a tarde de hoje, 28/11, a urna volante ficou instalada no piquete dos grevistas da segurança pública em Imperatriz, assim como aconteceu na ALEMA em São Luis, os militares de Imperatriz também se colocaram na defesa pelo aumento dos recursos da educação pública através do investimento de 10% do PIB para a educação pública e votaram SIM.

Confiram algumas fotos de eleitores no plebiscito popular.

domingo, 27 de novembro de 2011

SOCIEDADE ORGANIZADA DE IMPERATRIZ APOIO REIVINDICAÇÃO DOS SERVIDORES DA SEGURANÇA PÚBLICA

TODO APOIO À LUTA DOS TRABALHADORES DA POLICIA MILITAR E DO CORPO DE BOMBEIROS DO MARANHÃO

Os movimentos sociais, sindicais e populares de Imperatriz convocam todo o povo maranhense para se juntar aos trabalhadores da segurança pública do Maranhão na luta por seus direitos.



Mais do que militares, os policiais e bombeiros são trabalhadores. É cada um deles que trabalha pela segurança da população. São eles que colocam suas vidas em risco para proteger os cidadãos. Não é a governadora, o secretário de segurança ou os comandantes que fazem isso. Então, nada mais justo que todos os seus direitos de trabalhadores, garantidos pela Constituição Brasileira e pelas leis, sejam respeitados.



Um governo não pode tratar os trabalhadores do serviço público com arrogância e indiferença. É justamente isso que tem sido feito no Estado do Maranhão. Não apenas policiais militares e bombeiros são humilhados: os professores, os delegados e policiais civis, apenas para dar um exemplo, são desrespeitados pelo governo do estado, que não cumpre os acordos que firmou com essas categorias.



A paralisação é a única forma de obrigar o governo a negociar. Os trabalhadores não cruzam os braços porque gostam: essa é a arma que usam quando não lhes resta alternativa. Os policiais e bombeiros não são os responsáveis pelo caos na segurança pública do estado: a culpa é dos gestores, que se preocupam apenas com o interesse dos ricos e poderosos.



Se os policiais militares e os bombeiros não têm condições dignas de trabalho e de existência, quem perde é toda a sociedade.



Chega de baderna na gestão pública do Estado do Maranhão.
Chega de desgoverno e de desonestidade.

Ato público em apoio ao movimento dia 29 de novembro de 2011 – Às 17hs em frente ao Quartel do 3º BPM – Rua Leôncio Pires Dourado - Bacuri.


NEGOCIAÇÃO COM OS PMs E BOMBEIROS PRA VALER, JÁ!

- CENTRO DE PROMOÇÃO DA CIDADANIA E DEFESA DOS DIREITOS HUMANOS PADRE JOSIMO.
- SINPOL-MA - SINDICATO DOS POLICIAIS CIVIS DO MARANHÃO
- SINDICATOD DOS SERVIDORES DA JUSTIÇA DO ESTADO DO MARANHÃO
- COODENAÇÃO E ARTICULAÇÃO DOS POVOS INDIGENAS DO MARANHÃO
- STEEI-SINDICATO DOS TRABALHADORES EM EDUCAÇÃO DE IMPERATRAZ
- SINDICATO DOS TRABALHADORES EM EDUCAÇÃO DE DAVINÓPOLIS
- ASMEBSA - ASSOCIAÇÃO DE MULHERES DO BACURI ANHANGEUERA E ADJACÊNCIA
- FETESPULSUMA- FEDERAÇÃO DOS TRABALHADORES EM EST. DE ENSINO E NO SERVIÇO PÚBLICO DO MARANHÃO
- SINDSAÚDE – SINDICATO DOS TRABALAHADORES EM ESTABELECIMENTO DE SAÚDE DA REGIÃO TOCANTINA
- SINDICATO DOS METALURGICOS DE IMPERATRIZ
- FóRUM DE MULHERES DE IMPERATRIZ
- MOVIMENTO DE MULHERES CAMPONESAS
- ASSOCIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO COMUNITÁRIO DO BRASIL
- GRUPO MULHER ÉTICA E LIBERDADE
- CENTRO ACADEMICO DE HISTÓRIA “ Bem-te-vis” – Gestão Roda Viva - UEMA
- UNIÃO MARANHENSE DOS ESTUDANTES DE HISTÓRIA

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Basta de Violência contra as Mulheres!

A violência contra a mulher é um problema escandaloso em nosso país! Segundo o Anuário das Mulheres Brasileiras (2011 - DIEESE e Secretaria de Políticas para Mulheres), o local em que as mulheres mais sofrem violência é dentro de casa. Xingamentos, agressões verbais, humilhações e ameaças também fazem parte do cotidiano e em muitos lares avançam para a agressão física e até morte. É uma combinação entre violência física e violência psicológica.

Segundo o Instituto Avon, a violência assombra principalmente as mulheres que ganham entre 1 e 2 salários mínimos. Na mesma pesquisa, 46% dos entrevistados alegam que o principal motivo para esta realidade é o fato de “o homem se achar dono da mulher”. Esta ideia é uma ideia machista.

O machismo é uma ideologia que ganha força em um sistema social baseado em relações de exploração entre patrões e trabalhadores. Os patrões utilizam o machismo para pagar menos as mulheres trabalhadoras e para dividir a classe trabalhadora. Por isso, a luta contra a violência machista deve ser uma luta de homens e mulheres da classe trabalhadora. Quando um trabalhador agride alguma mulher, está ajudando a reforçar a ideologia do patrão e está dividindo os trabalhadores.

A ausência de políticas estatais para assegurar melhores condições de vida para as trabalhadoras, a criminalização das mulheres que abortam e das mulheres que lutam são a expressão da violência promovida pelo poder público, que secundariza as políticas direcionadas às mulheres

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

SÉRIE ANÁLISE DAS CONTAS DE IMPERATRIZ 2011: RECEITAS

Nesse segundo post continuaremos demonstrando um pouco mais dos resultados da arrecadação do Município de Imperatriz apresentando os percentuais da participação de cada fonte. Sem muita diferença do que havíamos levantado ao analisarmos 2010, Imperatriz ainda é bastante dependente das receitas de transferência da União, isso quer dizer que não temos independência para fornecer políticas públicas aos cidadãos. Tudo o que se garante de forma precária vem de recursos do Fundo de Desenvolvimento da Educação Básica - FUNDEB, Fundo de Saúde – FUS e Fundo Nacional de Assistência Social-FNAS cujos recursos são vinculados, ou seja, só poderá ser gasto diretamente com a finalidade de acordo com o fundo, por exemplo, os recursos do FNAS que são recursos para manutenção do programa Bolsa Família.




Apesar da propaganda e dos discursos dos gestores de Imperatriz em relação ao “crescimento” da economia de Imperatriz, segundo eles, graças aos empreendimentos na construção civil e a instalação da fábrica de celulose da Suzano. Percebemos, então, ao analisarmos os dados, principalmente da arrecadação de recursos próprios que ainda há uma grande dependência financeira de receitas cuja União repassa ao município.

Se formos mais a fundo nessa análise os números comprovam que a elevação de edificações, vinda de empresas, instalações de fabricas não está se refletindo na elevação da arrecadação própria, por que será? Antes de responder essa pergunta vamos ver no gráfico seguinte como foi a evolução da arrecadação com receitas próprias do município, destacando ai as principais IPTU, ITBI e ISS que estão relacionadas aos empreendimentos que tanto os gestores se gabam...



No gráfico fica claro que a elevação da arrecadação com recursos próprios não acompanha a empolgação do prefeito Madeira e os “papagaios” de plantão. Fazendo uma comparação entre 2010 e 2011 no mesmo período houve em 2011 um aumento de R$4.069.181,08 na arrecadação.

Percebemos que há um aumento substancial na arrecadação de multas e juros de IPTU e ISS, além de recebimento de valores inscritos em divida ativa de IPTU, demonstrando assim, que o resultado dos quatro milhões apurados se credita à eficiência na cobrança de impostos atrasados.

Respondendo a pergunta do porque o dito crescimento em obras e vinda de fábricas não está se refletindo na elevação da arrecadação própria do município é simples: é uma questão primordial do capitalismo e de governos neoliberais como o do prefeito Madeira/PSDB, o capital (empresas/industrias) busca condições favoráveis para investir, essas condições depende do meio ambiente (solo, água) e da mão de obra, mas acima de tudo é o comprometimento dos governos em facilitar sua vinda através de criações de legislação de isenção fiscal(Lei Complementar nº 003/2010) e ambiental. Todas essas condições foram garantidas, a prefeitura aprovou na câmara uma lei que perdoou dividas e isentou de vários tributos das empresas, inclusive a isenção por 20 anos de tributos para a implantação da fabrica da Suzano. O surgimento de novos empreendimentos nunca gerará mais recursos se governos neoliberais cumprem à risca o manual neoliberal de garantir o lucro dos patrões.


Fonte dos dados: PORTA DA TRANSPARÊNCIA DE IMPERATRIZ

terça-feira, 22 de novembro de 2011

VI Marcha da Periferia, 25 de novembro de 2011

A Marcha da Periferia é um grande ato durante a Semana da Consciência Negra, realizado há seis anos no Maranhão, tendo à frente o Movimento Hip Hop e organizado pelo Quilombo Urbano. Neste ato com o lema “Contra a Violência e a Criminalização da Pobreza” se juntam moradores da periferia, operários, estudantes, professores, movimentos negros e quilombolas, grupos de Hip Hop, sem tetos, sem terra, partidos de esquerda e todos aqueles que desejam construir um Brasil sem desigualdade social, sem violência, sem discriminação de qualquer espécie, em fim, sem capitalismo.

A marcha acontecerá nesta sexta feira (25/11), concentração a partir das 16 horas na Praça Deodoro, em São Luis. O percurso passa pelo centro comercial e centro histórico (REVIVER) encerrando no circo da cidade com apresentações culturais com o grupo de Hip Hop “Gíria Vermelha” e outros artistas participantes.






Mais informações em Blog do Quilombo Urbano

sábado, 19 de novembro de 2011

SÉRIE ANÁLISE DAS CONTAS DE IMPERATRIZ-2011: ARRECADAÇÃO

Há quarenta e cinco dias para o fim do exercício financeiro de 2011 damos inicio a já tradicional série de posts da análise das contas públicas de Imperatriz. Nosso objetivo é dar nossa visão do que representa a “salada” de números que as gestões municipais “fornecem” sem fazer relação aos problemas vivenciados pela população imperatrizense, principalmente com educação, saúde e infraestrutura da cidade.

Nesse primeiro gráfico apresentamos o montante arrecadado com recursos próprios (tributos, taxa e contribuições de melhoria) e receitas de transferências (FPM, ICMS, ITC etc), ou seja, todo o recurso efetivamente creditado nos cofres públicos e disponíveis para serem destinados ao pagamento de pessoal, fornecedores, divida e possíveis investimentos, mês a mês em comparação ao mesmo período do ano de 2010.




Fontes: Site Transparência de Imperatriz e Banco do Brasil

Podemos observar uma elevação da arrecadação nos primeiros seis meses de 2011 em comparação ao mesmo período de 2010, até mesmo em comparação ao ultimo trimestre (OUT/2010 R$22.273.480,41; NOV/2010 R$23.493.205,27; DEZ/2010 R$26.831.128,15). A partir de junho de 2011 podemos observar uma redução na arrecadação quase que chegando aos valores de 2010.

Nos próximos posts estaremos dando mais dados, tanto de arrecadação como de gastos para vermos como esses recursos foram empregados e, caso ainda estejam depositados nas contas bancárias do município questionar aos senhores gestores o que esse dinheiro estaria fazendo nas contas enquanto muitos bairros periféricos se encontram num total abandono, e outros com serviços executados de forma precária.

Precisamos lembrar também da inoperância dos vereadores que não tem conhecimento necessário do seu papel, e nem tem interesse em buscá-lo, que é acompanhar a arrecadação e a execução dos gastos questionando ao prefeito se é ou não prioridade para a população de Imperatriz.

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

VÍDEO: A GENTE TEM QUE CHEGAR LÁ, 10% DO PIB PARA A EDCUAÇÃO PÚBLICA JÁ!

Este vídeo foi produzido pelo Fórum Estadual [Maranhão] em Defesa da Educação Pública em parceria com a APRUMA e CSP CONLUTAS especialmente para a Campanha dos 10% do PIB para a Educação Pública Já com a realização do Plebiscito popular que deu inicio a coleta de votos no Maranhão nesta quinta-feira (17/11), na oportunidade foi realizado uma AULA PÚBLICA na Praça Deodoro com a presença de representantes do FORUM da CSP CONLUAS, ANEL, QUILOMBO URBANO e do Professor Miguel Malheiros da CSP Conlutas - RJ e do Instituto Latinoamericano de Estudos Socioeconômicos - ILAESE.







FONTE: PSTU-IMPERATRIZ

segunda-feira, 14 de novembro de 2011

SUGESTÃO DE LIVRO: O LIVRO NEGRO DO CAPITALISMO

Mas negro que os fatos levantados no livro é a realidade de barbárie na qual a humanidade caminha à passos largos com a manutenção desse sistema escravizador do corpo e das mentes dos homens.

O enfrentamento ideológico aos lacaios do capitalismo deve ser feito constantemente, pois esses defendem seus patrões no anseio de um dia se tornar um também, só que na prática passam a vida toda curvado, quem sebe numa reencarnação eles não consigam.





"Costuma-se dizer que o capitalismo é um estado natural da humanidade. Assim, se o capitalismo tem suas catástrofes, essas são igualmente catástrofes naturais, sem rosto, sem responsável. Afinal, como responsabilizar o índice Dow Jones? Como odiar uma instituição como o FMI? O LIVRO NEGRO DO CAPITALISMO é uma obra atual, séria e documentada sobre aspectos essenciais de um modelo econômico, de uma ideologia e de uma política que, na sua prática, têm — ao longo da história e em todo o mundo — produzido injustiça, discriminação, desigualdade e exclusão social.

Organizado por Gilles Perrault, esta obra reúne artigos de historiadores, economistas, sociólogos, sindicalistas e escritores como Jean Suret-Canale, Phillippe Paraire, Claude Willard, Pierre Durand, François Delpla, Robert Pac e Jean Ziegler. Cada um escolheu sobre que variável do capitalismo escrever: Escravidão, repressão, tortura, violência, roubo de terras e recursos naturais, criação e divisão artificial de países, imposição de ditaduras, embargos econômicos, destruição dos modos de vida dos povos e das culturais tradicionais, devastação ambiental, desastres ecológicos, fome e miséria.

Mas que adversário real ainda pode existir para o capitalismo, depois de ele ter vencido todas as batalhas? Para Gilles Perrault, o adversário é a multidão civil envolvida no processo. “O fantasma daquela multidão deportada da África para as Américas, daqueles sacrificados nas trincheiras de uma guerra absurda, daqueles queimados vivos pelo napalm, torturados até a morte nas celas dos cães de guarda do capitalismo, os fuzilados na Espanha, os fuzilados na Argélia, as centenas de milhares de massacrados na Indonésia, os que foram quase erradicados, como os índios das Américas, os que foram sistematicamente assassinados na China para garantir a livre circulação do ópio. De todos aqueles, as mãos dos sobreviventes receberam a chama da revolta do homem a quem a dignidade foi negada. As mãos quase inertes das crianças do Terceiro Mundo diariamente mortas aos milhares pela subnutrição, as mãos descarnadas dos povos condenados a pagar os juros de uma dívida que serviu apenas para enriquecer seus dirigentes, as mãos trêmulas dos que mendigam ao lado da opulência. Mãos que ainda irão se unir.” "

546 páginas - 1999
Editora RecordRua Argentina 171 - Rio de Janeiro - RJ


20921-380

Tel.: (0XX) 21 585-2000

Pedidos pelo reembolso postal

Caixa Postal 23.052

Rio de Janeiro, RJ - 20922-970

domingo, 13 de novembro de 2011

MRP DESMASCARA MANOBRA DO SINPROESEMMA EM FAVOR DO GOVERNO DO ESTADO E CONTRA OS PROFESSORES

MRP - MOVIMENTO DE RESISTENCIA DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: Não falta dinheiro! O que falta é vontade política em se valorizar o magistério público estadual e vergonha na cara de muita gente.

Enquanto a diretoria do SINPROESEMMA (PCdoB/PT/CTB) limita-se a lamentar a não concessão do reajuste salarial, o governo faz a farra com os recursos do FUNDEB. Ressalta-se, recentemente a fundação José Sarney foi estatizada e será mantida com os recursos da educação.

Vejam só:

A previsão de receitas para o FUNDEB (rede estadual) ano 2011 é de: R$ 1.004.724.846,72

Desse montante, já foi creditado até o dia 12/11 o total de R$ 956.518.193,40. Esse valor supera o volume de recursos totais destinados à rede estadual em 2010. Ano passado os recursos foram da ordem de R$ 760.638.371,64. Hoje, isso representa um crescimento da ordem de 25,75% e em se efetivando a previsão de receitas, teremos um crescimento de 32,08%, no final do ano.

Lamentavelmente, governo e diretoria do SINPROESEMMA desconsideram esses números, na medida em que, o primeiro afirma para a nossa categoria ter dificuldades financeiras e que por isso, só pode conceder o reajuste de 20% parcelado (nov/11; março/12 e set/12) para os professores das classes 3 e 4, os demais não terão reajuste algum em 2012.O segundo faz um jogo de cena no intuito de ludibriar a nossa categoria, entretanto, suas ações servem mesmo aos interesses governistas que dia após dia vem ganhando tempo e a nós tem restado somente prejuízos. Hoje toda a nossa categoria deseja esse reajuste, porém, para que ele seja concedido é necessário a aprovação do PL 248/11. Esse projeto de lei construído pela parceria GOVERNO -SINDICATO não versa exclusivamente sobre o reajuste salarial, mas também objetiva reestruturar o ESTATUTO DO MAGISTÉRIO e aqui é que mora o perigo, afinal o governo concede o reajuste mas modifica a seu modo a nossa política salarial, sendo assim, sairemos perdendo, na medida em que ela não está pautada na lei do PISO. Essa proposta de alteração do ESTATUTO DO MAGISTÉRIO deveria ser discutida com a nossa categoria, entretanto, isso não acontecerá. Porque será que a diretoria do sindicato não realizou uma única assembleia para ouvir a nossa categoria a esse respeito?

Observem que os dirigentes do SINPROESEMMA nunca fizeram o debate desses números conosco e certamente, também não o realizaram com o governo. Quem já ouviu no programa de rádio, na TV ou mesmo no jornal do sindicato esses esclarecimentos? Aqui, não podemos nem de longe imaginar que nossos dirigentes sindicais não o realizam por desconhecer esses números, agem de caso pensado, há toda uma intencionalidade por trás disso, afinal para garantir os interesses particulares de um grupo é necessário sacrificar os direitos da maior categoria de servidores públicos estaduais. Por essas e outras é que ano após ano somos ultrajados em nossos direitos e sofremos as consequências da maléfica política de arrocho salarial. Não podemos esquecer que essa parceria GOVERNO-SINDICATO já nos prejudicou por demais, quem não lembra dos 7 anos em que ficamos sem reajuste salarial, nos dois primeiros governos de Roseana? Até quando permitiremos que aliados do governo estejam a frente da nossa estrutura sindical? Se não mudarmos isso, dificilmente a nossa realidade será transformada. Obs: Os números acima foram retirados do site do FNDE

MAIS INFORMAÇÕES ACESSEM BLOG DO MRP

ESSA AULA OS POLÍTICOS BRASILEIROS "MATARAM", 10% DO PIB PARA EDUCAÇÃO PÚBLICA JÁ!







Os sindicatos, DCE's, CA's, associações, pessoas que quiserem participar do plebiscito popular basta deixar uma mensagem como comentário com um contato para que possamos dizer como pode participar votando ou coletando voto.

quinta-feira, 10 de novembro de 2011

ANÁLISE DAS CONTAS DA PMI 2011

No fim do ano passado fizemos o levantamento das receitas e despesas da prefeitura de Imperatriz através do site "Transparência Imperatriz", os dados serviram de base para a elaboração de uma série de posts. Neste ano estarei repetindo essa série.

Já temos algumas curiosidades que poderão ao não ser comprovadas com o resultado da análise desses dados. Outras se repetirão como os altos custos para manter secretárias como Desenvolvimento econômico e da Mulher, tendo gastos basicamente com folha de pagamento, um verdadeiro cabide de emprego a correligionários.


Por ser um ano pré-eleitoral, geralmente a forma do gasto mudam se caracterizando um arrocho em áreas essenciais como educação, saúde e infreestrutura para uma intensiva no ano eleitoral, com o único objetivo de mascarar o abandono de anos anteriores.

terça-feira, 8 de novembro de 2011

A tinta vermelha: discurso de Slavoj Žižek aos manifestantes do movimento Occupy Wall Street

Slavoj Žižek visitou a Liberty Plaza, em Nova Iorque, para falar ao acampamento de manifestantes do movimento Occupy Wall Street (Ocupe Wall Street), que vem protestando contra a crise financeira e o poder econômico norte-americano desde o início de setembro deste ano.


[...]


"Em meados de abril de 2011, a mídia revelou que o governo chinês havia proibido a exibição, em cinemas e na TV, de filmes que falassem de viagens no tempo e histórias paralelas, argumentando que elas trazem frivolidade para questões históricas sérias – até mesmo a fuga fictícia para uma realidade alternativa é considerada perigosa demais. Nós, do mundo Ocidental liberal, não precisamos de uma proibição tão explícita: a ideologia exerce poder material suficiente para evitar que narrativas históricas alternativas sejam interpretadas com o mínimo de seriedade. Para nós é fácil imaginar o fim do mundo – vide os inúmeros filmes apocalípticos –, mas não o fim do capitalismo.

Em uma velha piada da antiga República Democrática Alemã, um trabalhador alemão consegue um emprego na Sibéria; sabendo que todas as suas correspondências serão lidas pelos censores, ele diz para os amigos: “Vamos combinar um código: se vocês receberem uma carta minha escrita com tinta azul, ela é verdadeira; se a tinta for vermelha, é falsa”. Depois de um mês, os amigos receberam a primeira carta, escrita em azul: “Tudo é uma maravilha por aqui: os estoques estão cheios, a comida é abundante, os apartamentos são amplos e aquecidos, os cinemas exibem filmes ocidentais, há mulheres lindas prontas para um romance – a única coisa que não temos é tinta vermelha.” E essa situação, não é a mesma que vivemos até hoje? Temos toda a liberdade que desejamos – a única coisa que falta é a “tinta vermelha”: nós nos “sentimos livres” porque somos desprovidos da linguagem para articular nossa falta de liberdade. O que a falta de tinta vermelha significa é que, hoje, todos os principais termos que usamos para designar o conflito atual – “guerra ao terror”, “democracia e liberdade”, “direitos humanos” etc. etc. – são termos FALSOS que mistificam nossa percepção da situação em vez de permitir que pensemos nela. Você, que está aqui presente, está dando a todos nós tinta vermelha."


Todos sabem que não sou de publicar texto de outras pessoas, mas esse não tem como não postar.


Leia texto completo no blog PSTU IMPERATRIZ

Um Chamamento ao Novembro Vermelho do Maranhão

Um Chamamento ao Novembro Vermelho do Maranhão: em defesa da Educação Pública e contra a criminalização da pobreza.
*Por Hertz Dias

Dois importantes eventos sacudirão a cidade de São Luís nas próximas semanas: o Plebiscito em defesa da destinação de 10%do PIB para a educação pública que acontecerá no período de 06 de Novembro a 06 de Dezembro e a VI Marcha da Periferia que esse ano traz como tema “Contra a Criminalização da Pobreza” e acontecerá no período de 14 a 27 de novembro.

Esses dois eventos tratam de questões que estão intrinsecamente ligadas e possibilitarão reaproximar dois segmentos que jamais deveriam está separados, a juventude das periferias e seus educadores, os seja, os dois principais sujeitos históricos de defesa da escola pública. Exigir que a presidenta Dilma aplique 10% do PIB na educação pública significa fazer com que o Estado estenda seu “braço social” às periferias. Significa igualmente dizer que os problemas da periferia não são simples caso de polícia, aliás, nunca foram.

Infelizmente, nos últimos anos os governos têm, muito sabiamente, jogado a juventude das escolas públicas contra os movimentos dos educadores, especialmente em momentos de greves. Por outro lado, muitos educadores têm desconsiderado os movimentos culturais que emergem das entranhas do obscuro e violento cotidiano das periferias brasileiras; e o Hip Hop é um desses movimentos.

A Marcha da Periferia, que surgiu em 2006 na cidade de São Luís a partir da iniciativa de militantes do Movimento Hip Hop Organizado do Maranhão “Quilombo Urbano”, este ano estará sendo realizada também em São Paulo com a perspectiva de se transformar em um evento nacional para os próximos anos. Rio de Janeiro e Ceará já sinalizam nesse sentido. Do mesmo modo, o Plebiscito dos 10% do PIB para educação pública deve envolver o maior número possível de jovens filhos da classe trabalhadora. Esses dois eventos deverão ser construídos a quatro mãos, deve ser o reencontro do “elo perdido” da corrente dessas duas gerações cuja dependência é recíproca.

O caos da educação pública é parte do processo de criminalização da juventude negra e pobre deste país e a criminalização dos educadores deste país é a porta de entrada para a “marcha fúnebre” que querem fazer seguir a educação pública. Somente a unidade entre esses dois setores em aliança com o conjunto da classe trabalhadora pode reverter essas duas drásticas situações.

Se na educação o déficit é de aproximadamente 500 mil professores, nos presídios o superávit é de 700 mil presos. O que sobra nos presídios falta nas escolas. Só em 2008 o investimento em segurança pública (repressão contra os pobres) cresceu aproximadamente 15%, enquanto nos últimos dez anos o PIB para educação não saiu da casa dos 4%. Mas, só para o pagamento da dívida pública o governo destina 49% do PIB.

No entanto, Dilma quer postergar para 2020 a aplicação de apenas 7% do PIB. Quer condenar a educação pública a mais dez anos de caos. Nós defendemos 10% do PIB Já! e só para educação pública. Sendo assim, caminhar de mãos dadas nesse momento significa unir os diferentes que fazem parte da mesma classe, a dos que produzem, mas não usufruem das riquezas produzidas.

No dia 17 de novembro, quinta-feira, haverá um ato-show com aula pública em defesa da aplicação dos 10% do PIB para educação pública. A aula será ministrada em plena Praça Deodoro, centro de São Luís, pelo professor Miguel Malheiros do Sindicato Estadual de Profissionais da Educação do Estado do Rio de Janeiro (SEPE-RJ) e membro do Instituto Latino Americano de Estudos Sócio Econômicos (ILAESE) e pela estudante Clara Saraiva da executiva nacional da Assembléia Nacional dos Estudantes Livres (ANEL). Nesse dia, a partir das 15h, as escolas públicas de São Luís deverão ser “silenciadas” e a Praça Deodoro deverá ser transformada numa grande sala de aula em defesa da educação pública. Os alunos deverão está junto com os seus professores.

No dia 25 de novembro, sexta-feira, será a vez da IV Marcha da Periferia, o local e o horário serão os mesmos e a estratégia também. As escolas públicas deverão ser igualmente silenciadas às 15h. Desta vez os professores deverão está juntos com os seus alunos numa grande caminhada pelo centro comercial de São Luís até o Circo Cultural da Cidade onde acontecerá o 22º Festival Hip Hop-Zumbi.


Um Novembro sem igual começa a ser construído, o mais vermelho de todos. Zumbi, Negro Cosme, Magno Cruz, Maria Aragão e Maria Firmina agradecerão aos que se fizerem presentes nessas atividades.

* Professor da Rede Estadual, membro da Oposição e Militante do Quilombo Urbano

quinta-feira, 3 de novembro de 2011

Vídeo do ator Wagner Moura para a campanha #florestafazadiferença

Vídeo do ator Wagner Moura para a campanha #florestafazadiferença, desenvolvida pelo Comitê Brasil em Defesa das Florestas e do Desenvolvimento Sustentável






Assistam outro em www.florestafazadiferenca.org.br

ATO PÚBLICO EM APOIO À OCUPAÇÃO DA FUNAI E PELAS REIVINDICAÇÕES DOS POVOS INDÍGENAS DO MARANHÃO

Após ocupação do prédio da FUNAI em Imperatriz os povos indígenas divulgaram através de uma Carta Aberta a lista de reivindicações exigidas por eles.

A sociedade civil de Imperatriz que se solidariza com as reivindicações dos povos indígenas que a cada dia estão sendo dizimados com a expansão das cidades, com a implantação de áreas agrícolas e indústrias que poluem ar, solo e água nas proximidades de suas reservas e com a extração de madeira de forma ilegal por madeireiros farão nesta quinta-feira, 3 de outubro às 18 horas, um ato em frente da FUNAI.

Devido às condições nas quais os indígenas foram recebidos pela administração que ordenou a suspensão da energia elétrica e água, os apoiadores do movimento solicitam a todos que quiserem colaborar doando alimentos no momento do ato poderão levá-los.

Só reforçando, ato hoje às 18 horas em frente a sede da FUNAI de Imperatriz em apoio às reivindicações dos povos indígenas.

Carta ao PCdoB de Anita Prestes‏

Ao Comitê Central do
Partido Comunista do Brasil (PCdoB)


Dirijo-me à direção do PCdoB para externar minha estranheza e minha indignação com a utilização indébita da imagem dos meus pais, Luiz Carlos Prestes e Olga Benario Prestes, em Programa Eleitoral desse partido, transmitido pela TV na noite de ontem, dia 20 de outubro de 2011.


Não posso aceitar que se pretenda comprometer a trajetória revolucionária dos meus pais com a política atual do PCdoB, que, certamente, seria energicamente por eles repudiada. Cabe lembrar que, após a anistia de 1979 e o regresso de Luiz Carlos Prestes ao Brasil, durante os últimos dez anos de sua vida, ele denunciou repetidamente o oportunismo tanto do PCdoB quanto do PCB, caracterizando a política adotada por esses partidos como reformista e de traição da classe operária. Bastando consultar a imprensa dos anos 1980 para comprovar esta afirmação.


Por respeito à memória de Prestes e de Olga, o PCdoB deveria deixar de utilizar-se do inegável prestígio desses dois revolucionários comunistas junto a amplos setores do nosso povo, numa tentativa deplorável de impedir o desgaste, junto a opinião pública, de dirigentes desse partido acusados de possível envolvimento em atos de corrupção.



Atenciosamente,


Anita Leocádia Prestes