terça-feira, 27 de dezembro de 2011

ROSENGANA MANDA O RECADO A SEUS FILHOS: A LEI DA PALMADA NÃO VALE AQUI

Em uma peça publicitária de fim de ano a governadora Roseana Sarney apresenta-se como uma “Dona de Casa”, ou melhor, dona do Maranhão. Como dona de casa, ela diz se preocupar com a saúde, educação e bem estar de seus filhos e que mesmo se ausentando por questão de saúde retorna o mais rápido possível para cuidar de sua casa e seus filhos, aliás, sabe perdoar as peraltices das crianças – maranhense...s anti-sarneistas – que aprontam.




Coitada da família que tem uma mãe, dona de casa assim, que mantém a saúde, a educação e seu povo na miséria por mais de quarenta anos. Se fossemos realmente “filhos” advindos dessa senhora teria sido concebido fruto de um estupro, como a rede de saúde/lei não garante o direito da mulher abortar, ela foi obrigada a gerar o feto. Nosso parto foi na verdade um aborto provocado, depois de várias tentativas de nos afogar na banheira, sobrevivemos até hoje mesmo debaixo de torturas dentro de casa.




Roseana, a mãe desnaturada do Maranhão.

domingo, 25 de dezembro de 2011

O papel do partido

A completa desalienação do homem só acontecerá no socialismo. Mas existiria, alguma atividade desalienante no capitalismo? Em Mensagem ao Congresso de fundação da Quarta Internacional, León Trotsky aponta um caminho possível: a militância em um partido revolucionário. Diz que quando "um revolucionário se entrega inteiramente ao partido, encontra-se a si mesmo. Sim, nosso partido toma conta de nós de forma total. Mas nos dá, em troca, a maior felicidade: a consciência de que participamos da construção de um futuro melhor, de que carregamos nos ombros uma partícula do destino da humanidade e de que não teremos vivido em vão". Como o historiador Henrique Canary enfatiza, "para o militante socialista a atividade revolucionária é, entre tantas outras coisas, um encontro com sua natureza perdida, uma luta incansável pela manifestação da bondade humana, uma fonte de enorme felicidade".



Ao ter essa ação consciente, os militantes partidários precisam lutar, ainda na sociedade capitalista, com os olhos bem abertos, para controlar seu próprio destino, que vai contra o destino alienado imposto pela sociedade. Segundo Marx, “a estrutura do processo vital da sociedade, isto é, do processo da produção material, só pode desprender-se de seu véu nebuloso e místico, no dia em que for obra de homens livremente associados, submetida a seu controle consciente e planejado”. É esse controle consciente e planejado que buscamos desde já no partido revolucionário, para libertar o homem do véu nebuloso e místico, isto é, da alienação imposta pela sociedade capitalista.




quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

PSOL TEM NOVA DIREÇÃO EM IMPERATRIZ

Com presença expressiva dos filiados do PSOL de Imperatriz aconteceu ontem, na Universidade Estadual do Maranhão, a Convenção Municipal do partido que elegeu e deu posse à sua nova direção municipal. A convenção municipal acontece após a realização dos congressos estadual e nacional do Partido Socialismo e Liberdade e reflete um novo momento da construção partidária. “O nosso maior desafio é fazer o PSOL crescer e se tornar uma referência de luta para os trabalhadores e setores populares em Imperatriz, tudo isso sem perder nossa identidade política e respeitando o programa do partido”, disse o novo presidente do PSOL de Imperatriz, Alcindo Holanda.


Além da eleição da direção municipal, houve a aprovação de resoluções políticas que nortearão as ações do partido e de sua direção municipal para o próximo período. Dentre as resoluções aprovadas, há a definição de rechaçar alianças eleitorais com partidos da base dos governos de Dilma, Roseana e Madeira e que o PSOL em Imperatriz trabalhará para a construção da Frente de Esquerda com PCB e PSTU.


Estiveram presentes também dois membros do Diretório Estadual do PSOL. “O momento que vive o PSOL em Imperatriz é ímpar, pois se abrem muitas possibilidades de construção para o partido na cidade. Os companheiros estão muito dispostos a essa tarefa e isso deve ser respeitado e valorizado pela direção estadual e é nessa condição que nos fazemos presentes nesta Convenção”, ressaltou Denise Albuquerque, membro da Executiva Estadual do PSOL.


FONTE: ASCOMPSOLITZ

quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

ATRASO ADMINISTRATIVO PODE DEIXAR PREFEITURAS DO INTERIOR PERDEREM O "BONDE" DA HISTÓRIA E DA ECONOMIA

Com a vinda do capital através da instalação de empresas no Maranhão como a refinaria em Bacabeira, Suzano em Imperatriz, termo elétrica em Santo Antonio dos Lopes e a descoberta de gás em Capinzal do Norte ficam ainda mais evidente como essas empresas “deitam e rolam” com a incompetência e à lógica neoliberal da economia.

Temos duas situações comuns no Maranhão, que se divide entre as cidades um pouco mais estruturadas – São Luis, Imperatriz, Timon, Açailândia - e àquelas em que a estagnação econômica mantida há décadas sem perspectivas de progresso (Bacabeira, Presidente Dutra, Dom Pedro, Santo Antonio dos Lopes, Capinzal do Norte, Peritoró) se encontra, passam a si depararem com outra condição com a implantação de indústrias. Na primeira situação onde a administração municipal já tem um código tributário que poderia possibilitar uma arrecadação que garantiria, em tese, certa autonomia para investimentos próprios, o capital põe de “joelhos” os gestores para garantirem as condições necessárias para sua implantação, principalmente exigindo isenção de impostos com as desculpas de que o município terá mais emprego. Na segunda, essas cidades que têm ligações estreitas com a oligarquia Sarney - patrocinador principal de tipo de política coronelista nesses municípios – encontram-se totalmente despreparadas legalmente (código tributário) e estruturalmente para efetivarem a arrecadação de tributos que poderiam garantir melhorias para seus cidadãos.

A cultura de não arrecadação nesses municípios se reflete na falta da legislação tributária do município, essa cultura está entranhada nos gestores que fazem parte da oligarquia Sarney, que tem como principal fonte de votos a troca de favores, até mesmo o tributários, perpetuando assim o poder nesses municípios. Mudar essa cultura durante a oportunidade real é bastante complicada.

Estamos observando a região, e percebemos as mesmas situações por qual qualquer cidade passa com o aumento da atividade econômica, também sabemos até onde isso pode ir no capitalismo, um exemplo recente é a atual situação da cidade de Estreito após conclusão das obras de construção civil da hidroelétrica. Os preços de terrenos e aluguel de casas nas cidades: Presidente Dutra, Dom Pedro, Pedreiras etc próximas à Santo Antonio dos Lopes e Capinzal do Norte têm tido grande elevação no preços e o aumento da população que migram de outras cidades do Maranhão e de Estados próximos, principalmente.

Com a vinda desses investimentos o Maranhão estará vivendo uma nova situação econômica onde nosso Estado terá uma elevação no seu parque industrial, que até então era centralizado em poucas cidades. Mas o discurso dos gestores e dos empreendedores capitalistas não nos engana, essa riqueza produzida por nossa mão de obra e a exploração da natureza, o exemplo do gás em Capinzal do Norte permanecerá concentrada nas mãos de poucos, enquanto os políticos tentam encher de esperança o povo de que eles também compartilharão essa riqueza.

SAI RESULTADO FINAL DO PLEBISCITO: 10% DO PIB PARA A EDUCAÇÃO PUBLICA JÁ NO MARANHÃO

Após um grande empenho entre os militantes sociais e sindicais na realização do plebiscito popular pela exigência da aplicação de 10% do PIB na educação pública Já, sai o resultado final da apuração do Maranhão. Cidades como São Luís, Imperatriz, Timon, Alcântara, Açailândia, Divinópolis, Codó etc contribuíram em muito com esse resultado.

O resultado do Plebiscito pela aplicação dos 10% do PIB para a Educação Pública Já no Maranhão obteve um total de 16.254 votos. Desse total 15.519 votaram SIM, 87 votaram não, 646 nulo e 2 em branco.

A coordenação Nacional da Campanha dos 10% do PIB na educação pública Já ainda trabalha a totalização dos votos nacional. A estimativa é que o objetivo de levar as discussões aos quatro cantos do país foi iniciado e cabe todos continuarem defendendo mais recursos para uma educação de qualidade.

terça-feira, 20 de dezembro de 2011

Juary Chagas: Sociedade de Classe, Direito de Classe

Entrevista com Juary Chagas do PSTU-RN, autor do livro Sociedade de Classe - Direito de Classe lançado em São Luís na última sexta feira, 16/12/2011.






Fonte: PSTU MARANHÃO

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

VÍDEO DO ATO QUE ENCERROU OS 16 DIAS DE ATIVISMO PELO DIREITOS HUMANOS

Vídeo do ato em homenagem ao servidor demitido pela gestão tucana de Imperatriz em retaliação à defesa pela garantia ao tratamento digno dos usuários do CAPS-AD de Imperatriz e do encerramento dos 16 dias de ativismo em defesa dos direitos humanos realizado pelo Centro de Promoção da Cidadania e Direitos Humanos- Pe. Josimo de Imperatriz.




quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

LANCAMENTO DO LIVRO: SOCIEDADE DE CLASSE, DIREITO DE CLASSE

O PSTU MARANHÃO realiza neta sexta-feira, 16/12, o debate, Direito x Marxismo: um debate de classe, com Juary Chagas, que é diretor do Sindicato dos Bancarios/RN, instrutor do Ilaese, militante da CSP Conlutas e dirigente do PSTU no Rio Grande do Norte. Na oportunidade, haverá o lançamento do livro " Sociedade de Classe, Direito de classe", de sua autoria.

O debate também terá a presença do juiz da 2ª Vara de Execuções Penais do Maranhão, Douglas Martins. Ele é mestre em Sociologia Jurídica e Instituições Políticas pela Universidade de Zaragoza, onde apresentou trabalho sobre corrupção e desenvolvimento humano no Brasil.

Dia:16/12 (sexta-feira)
Hora: 18h
Local: Sindicatos dos Bancários, Rua do Sol - Centro

“Os homens fazem sua história, mas não como querem e sim sob determinadas circunstâncias herdadas e transmitidas pelo passado” - Karl Marx


Pedidos de exemplares podem falar comigo deixando recado aqui.

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

SERVIDOR VÍTIMA DA INCOMPETÊNCIA DA GESTÃO TUCANA DE IMPERATRIZ É HOMENAGEADO



Em solenidade realizada na Academia Imperatrizense de Letras no último sábado, 10/12, o Centro de Promoção da Cidadania e Direitos Humanos – Pe. Josimo como faz todos os anos entregou Condecoração "18 de janeiro" – placa – em reconhecimento pela luta em defesa dos direitos humanos.


Nesse ano, foi condecorado o Sr. Eurias Rodrigues Carneiro, o título foi em reconhecimento pela luta em defesa dos direitos humanos dos usuários dos CAPS-AD em Imperatriz.


Eurias vendo o abandono do CAPS-AD na gestão Madeira, no qual ele prestava serviços como contratado, fez um dossiê comprovando a situação na qual servidores e pacientes conviviam: falta de alimentação para fornecimento aos pacientes, sujeira em banheiros e piscina, além do atraso nos salários que era de no mínimo 90 dias. O dossiê foi publicado em um blog e entregue cópia ao ministério público.


A atitude de defender os usuários do serviço de saúde mental de Imperatriz lhe custou um problema de saúde – segundo Eurias – decorrente da péssima qualidade da água que abastecia o prédio e sua demissão após os gestores ficarem sabendo da atitude de denunciar para chamar a atenção da sociedade.


Graças à atitude de não se calar diante do que vinha ocorrendo, o serviço ainda se encontra de forma precarizada, mas se nota uma melhora substancial do espaço físico e da higiene do local.



Estamos editando o vídeo da solenidade e será postado aqui em um novo post.

domingo, 11 de dezembro de 2011

RIGIDEZ E FALTA DE BOM SENSO DEIXA DEZENAS DE CANDIDATOS SEM FAZER PROVAS NO IFMA E NA UFMA

Vários candidatos que deveriam fazer prova para ingresso no Instituto Federal do Maranhão de Imperatriz foram impedidos de adentrar no IFMA e na UFMA a partir das 12:30.

Muita insatisfação entre as dezenas de candidatos a uma das vagas do IFMA de Imperatriz, os organizadores do processo seletivo cumpriram à risca o que dizia o edital que deixou muitos candidatos confusos sobre o horário da aplicação das provas. Às 13 horas, horário do Maranhão ainda havia candidatos chegando para tentar entrar. Os retardatários alegavam que estavam com folga dentro do horário, interpretação diferente dos organizadores que deixou no mínimo uma centenas de candidatos barrados nos portões da unidade do IFMA e da UFMA em Imperatriz.




Um princípio de confusão se formou com a tentativa de forçar os portões para a entrada. Mesmo com a presença da policia Militar – que ficou apenas observando a movimentação - os candidatos indignados resolveram procurar autoridades para tentar anular o processo devido o grande número de pessoas que foram impedidos por questão do horário interpretado pelos realizadores do seletivo.









Falta de recursos para garantir qualificação à todos são os principais motivos para uma verdadeira “lei das selvas”, na busca de qualificação, após essa concorrencia ainda tem o mercado de trabalho precarizado para a grande massa de trabalhadores que buscam melhores condiçoes de vida.

sábado, 10 de dezembro de 2011

O poder popular e as organizações dos trabalhadores - Valério Arcary

Palestra: O poder popular e as organizações dos trabalhadores
Prof. Valério Arcary
Setembro/2011
UFRJ
Evento: Seminário de 140 Anos da Comuna de Paris

Vídeo 1 de 2.













www.furonoasfalto.org

terça-feira, 6 de dezembro de 2011

CAMPANHA "HOMENS PELO FIM DA VIOLÊNCIA‏

Hoje, 6 de dezembro, é o Dia Nacional de Mobilização dos Homens pelo fim da Violência contra as Mulheres, instituído no calendário nacional com a aprovação da lei 11.489, em vigor desde 2007.
E é dia de convocarmos todos os homens a participarem da Campanha do Laço Branco (White Ribbon Campaign) – homens decididos a não praticar violência e não se calar em situações de violência contra as mulheres:

Homens, participem! Digam “Basta!”

Você, homem, que está disposto a não mais aceitar tal situação, una-se aos outros homens que já se engajaram nessa Grande Caminhada para dizer aos poderes constituídos: “Basta de Violência contra a Mulher“. Lute pelo fim da impunidade aos agressores! Mostre que também existem muitos homens absolutamente contrários a qualquer forma de violência contra a mulher:

denuncie todos os atos de omissão, transgressão e violação dos direitos civis, políticos e humanos, resultantes da desigualdade de gênero;
exija do Estado mecanismos para responsabilizar os autores de tais atos;
informe-se e sensibilize outros homens sobre os problemas resultantes da desigualdade de direitos entre homens e mulheres;
pense sobre o tipo de homem que você quer ser: gentil, responsável, que compartilha igualmente na vida familiar e respeita as mulheres e meninas;
seja respeitoso para com as mulheres, meninas e outros homens. Sexismo e homofobia fere a todos nós;

Leia mais em: LAÇO BRANCO.ORG.BR

segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

MOVIMENTO GOTA D’ÁGUA: IRONIA E DISCUSSÃO EM DEFESA DA AMAZÔNIA E SEUS POVOS

A Construção de uma Hidroelétrica no Alto Xingu trás várias dúvidas sobre o real motivo de se iniciar uma obra em plena floresta amazônica e causar um dos maiores impactos ambientais nunca visto em nosso país.


As empresas e o governo dizem que o empreendimento trará melhores condições de vida à Altamira (PA), cerca de 4.500 famílias de municípios vizinhos. O Grupo Norte Energia afirma de forma categórica – quase divina – que o hidrograma proposto pelo estudo de impacto ambiental da obra garante as condições adequadas para a manutenção do modo de vida das etnias Juruna e Arara que habitam a área conhecida como Volta Grande do Xingu. Se baseando em estudos – feitos pelos orgãos do governo interessados na construção – Estudo de Impacto Ambiental (EIA/Rima) e também a Avaliação Ambiental Integrada (AAI).


Vários movimentos populares contrários à construção se mobilizaram para impedir o exterminio de fauna, flora e nesse caso também de pessoas que a UHE de Belo Monte promoverá as populações indígenas que habitam a região. Entre os movimentos já tradicionais Movimento dos Atingidos por Barragens-MAB e tendo uma repercussão a participação de artistas de telenovelas com depoimentos contra a construção da usina.


Os apoiadores da obra temtam desqualificar o debate feito pelos videos-depoimentos gravados para a ONG “GOTA D’ÁGUA” – todos irônicos – pelos artistas para defender o massacre ambiental na região do Xingu.


Então, vamos colaborar na discussão pondo algums pontos de vista mais palpáveis, e os motivos que levam tocar o projeto na floresta amazônica que trás vantagens incalculavéis ao governo e às empresas que tocarão e administrarão a usina.


1- A Floresta Amazônica é um espaço estratégico, visado pelo capital, o governo ao incentivar a entrada de empreendimentos também possibilita a vinda de outras formas de ocupação, quebrando o sentimento preservativista que os brasileiros têm desse “pulmão do mundo”.


2- O capital busca sempre melhores condições para sua expansão, por condições que tragam cada vez mais lucro e menos conflitos que tendem a forçar-los dar concessões, e o isolamento da floresta possibilita isso.


3- O impacto no orçamento para a construção da usina de Belo Monte das indenizações de populações é ínfima se considerado as gastos em outras construções que ficavam próximo a cidades mais urbanizadas.


4- Para o governo e os investidores, os povos indígenas se comportarão como os relatos nos livros de história ao trocarem sua madeira, seu ouro por espelhos e bugigangas industrializadas, um novo “descobrimento” do Brasil amazônico.


5- O aculturamento também é um fator importante ao modo de produção capitalista, pois tende a aumentar a mão de obra disponível e os possíveis consumidores garantindo assim a espiral de exploração.

Enfim, o debate não tem nada de desqualificado, o que os pró-Belo Monte sentiram foi a repercussão que os artistas deram à questão. A empresa na qual eles trabalham foi rápido em dizer que os artistas falam em nome particular e não tem nenhum vínculo com a empresa.

domingo, 4 de dezembro de 2011

sábado, 3 de dezembro de 2011

PM E BOMBEIROS DO MARANHÃO GANHAM BATALHA CONTRA A MAIOR OLIGARQUIA DO BRASIL

O dia 2 de dezembro de 2011 fica registrado na história do Maranhão como um dia das maiores conquistas obtidas pelos policiais e bombeiros, na luta por direitos. Essa conquista é ainda mais representativa por ser em cima de um governo que representa uma das últimas oligarquias do Brasil, a dos Sarney, contra os coronéis que dirigem a estrutura da polícia do Estado e contra a propaganda perseguidora do meio de comunicação ligado à família Sarney, o sistema Mirante, afiliada da Rede Globo no estado.

Durante todo o movimento grevista em São Luis e Imperatriz, os trabalhadores tiveram o apoio incondicional dos movimentos populares e sindicais – apoio reconhecido pelos policiais – fundamental para trazer a população a apoiar as reivindicações dos grevistas.

No início, o governo não aceitou negociar com grevistas os dez pontos de reivindicação dos trabalhadores: anistia aos grevistas, aprovação de data-base, pagamento de horas-extras, carga horária de 44 horas semanais, promoção automática, fim do Regime Disciplinar do Exército, aumento de 20% dos salários, entre outros. Com a pressão dos trabalhadores e da população, o governo em oito dias cedeu, e, das dez reivindicações, apenas o percentual no aumento do salário foi concedido pela metade, 10,45%. Ao final, representou uma grandiosa vitória dos trabalhadores.

Durante a greve, algo mudou na relação dos trabalhadores da policia militar e dos bombeiros com o movimento organizado, sindical e popular. Muitos militares se viram como parte da classe trabalhadora e sentiram na pele a perseguição do Estado que criminaliza qualquer movimento que busque reivindicar direitos, seja por terra, por respeito ou por indignação contra os desmandos de corrupção.

A repressão da oligarquia Sarney acelerou esta experiência. No dia 29, enquanto estavam ocupados na Assembleia Legislativa, os grevistas divulgaram uma carta, dirigida aos quilombolas e sem-terras do estado, reconhecendo sua parcela na repressão aos conflitos no campo e pedindo desculpas. A carta (leia abaixo) afirma que “somos todos irmãos”.

Parabéns aos trabalhadores da segurança pública do Maranhão – policiais militares e bombeiros – pela vitória. E, em especial, aos policiais e bombeiros que passaram a se reconhecer como parte da classe trabalhadora. Sabemos que o aparato de repressão é formado por forças criadas para preservar a propriedade privada, para garantir a desigualdade social e o controle de uma classe sobre a outra. Como a Polícia Militar.

Assim, o exército e a polícia são herdeiros diretos dos capitãos do mato, que mantinham os escravos nas senzalas. É não apenas simbólico, mas significativo que esta luta traga a reflexão dos policiais sobre a repressão aos homens e mulheres quilombolas e a unidade que surge daí. Quantos mais e mais policiais se percebam como classe, mais se recusarão a reprimir nossas lutas, nossas greves, nossas marchas. Mais se questionarão sobre os crimes do campo, a tragédia nas cadeias, a dívida com o povo negro e pobre. Mais se questionarão o que nossos soldados estão fazendo no Haiti.

Mais e mais se sentirão como trabalhadores e trabalhadoras. E perceberão que suas armas, como diz o hino da Internacional, devem ser voltadas para os seus generais.

“Paz entre nós. Guerra aos senhores”.

quarta-feira, 30 de novembro de 2011

STEEI REALIZA ELEIÇÃO NESTA QUINTA-FEIRA, 01/12/2011

Acontece nesta quinta-feira, 01 de dezembro, a eleição do Sindicato dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Ensino de Imperatriz – STEEI, urnas fixas e volantes percorrerão todos os locais de votação das 7:30 às 20 horas. Todos os trabalhadores sindicalizados aptos a votar deverão, entre o horário de trabalho, procurar o local onde a urna está instalada para decidir entre as 4 chapas concorrentes.

Todo o processo eleitoral foi organizado pela comissão que tem participação mássiça dos trabalhadores do SINDSAUDE. Dessa forma, todo o processo tende a ter toda lisura necessária para os concorrentes e os sindicalizados que decidirão pela continuação da direção atual que concorre à reeleição ou pela mudança.

O STEEI é um dos sindicatos mais atuantes de Imperatriz, e sem sombra de dúvida que tem importância estratégica para a atual gestão municipal, que de forma disfarçada deve está apoiando alguma das chapas concorrentes.

Estaremos participando como mesário em um dos pontos de votação. Assim que tivermos informação sobre o resultado divulgaremos aqui no blog.

terça-feira, 29 de novembro de 2011

MILITARES DO MARANHÃO FAZEM LUTA DE CLASSE

Contradizendo muitos falsos partidos de esquerda que se entregaram à ideologia neoliberal e dizem reconhecer que não há mais luta de classe tiveram nesta terça-feira, 29/11, um exemplo – assim como os demonstrados na “primavera árabe” em curso nos países árabes – de que a classe trabalhadora sabe se posicionar contra seus opressores.

Os policiais militares e bombeiros têm demonstrado neste processo grevista uma força que faz o governo Roseana cada vez mais se desgastar perante à opinião pública devido a intransigência ao não sentar para negociar com os trabalhadores da segurança pública do Maranhão. Nessa onda, policiais civis e peritos, cansados em esperar o chamado do governo para ouvir as reivindicações dos trabalhadores também aderiram à paralisação como forma de chamar a atenção do governo.

O sistema de comunicação de propriedade da família Sarney se limita a ler notas oficiais do governo do estado e informar a manutenção do piquete de greve instalado em São Luís e Imperatriz. Até o momento a emissora não foi até os manifestantes ouvi-los e passar para a sociedade a real situação dos trabalhadores da segurança pública.

Em nossa fala de apoio aos trabalhadores e trabalhadoras destacamos o exemplo de luta de classe que os policiais vêm dando e alertamos para as armadilhas da conciliação de classe, que na história tem beneficiado os patrões. Essa preocupação ficou mais evidente nas declarações do Advogado Daniel Souza – advogado que tem dado assessoria ao movimento local – que deixou subentendido em suas palavras de que o movimento não pode se perdurar por muito tempo, e que é preciso fazer uma conciliação. E nosso ponto de vista, ele como assessor jurídico deve si conter a dar o suporte jurídico necessário e deixar a decisão de por fim ou não à greve a governadora Roseana, pois foi ela que levou a paralisação dos trabalhadores ao não cumprir com o acordado na última paralisação, o de sentar e negociar o cumprimento das exigências por direitos dos trabalhadores.

Ao final da manifestação um porta-voz do piquete informou que alguns policiais – admitidos em 2007 – cederam às pressões e ameaças de demissões feitas pelo governo do Estado e resolveram se apresentar aos seus comandantes, todos foram imediatamente detidos - presos -, nos quartéis. É comum a estratégia terrorista contra os trabalhadores que procuram garantir direitos, como é o caso dos militares do Maranhão.

Os movimentos sociais que dão apoio aos grevistas respeitarão qualquer decisão tomada pelo representante, em consulta à base, sobre o fim ou não da paralisação, até lá, apoia a decisão que é de resistir até a vitória.

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

CAMPANHA DOS 10% DO PIB PARA A EDUCAÇÃO PÚBLICA EM IMPERATRIZ

Com as urnas do plebiscito instaladas na UEMA, na UFMA, no STEEI e outra volante Imperatriz está engajada na defesa por uma educação pública e com recursos necessários à demanda do futuro de nossa nação.

Durante toda a tarde de hoje, 28/11, a urna volante ficou instalada no piquete dos grevistas da segurança pública em Imperatriz, assim como aconteceu na ALEMA em São Luis, os militares de Imperatriz também se colocaram na defesa pelo aumento dos recursos da educação pública através do investimento de 10% do PIB para a educação pública e votaram SIM.

Confiram algumas fotos de eleitores no plebiscito popular.

domingo, 27 de novembro de 2011

SOCIEDADE ORGANIZADA DE IMPERATRIZ APOIO REIVINDICAÇÃO DOS SERVIDORES DA SEGURANÇA PÚBLICA

TODO APOIO À LUTA DOS TRABALHADORES DA POLICIA MILITAR E DO CORPO DE BOMBEIROS DO MARANHÃO

Os movimentos sociais, sindicais e populares de Imperatriz convocam todo o povo maranhense para se juntar aos trabalhadores da segurança pública do Maranhão na luta por seus direitos.



Mais do que militares, os policiais e bombeiros são trabalhadores. É cada um deles que trabalha pela segurança da população. São eles que colocam suas vidas em risco para proteger os cidadãos. Não é a governadora, o secretário de segurança ou os comandantes que fazem isso. Então, nada mais justo que todos os seus direitos de trabalhadores, garantidos pela Constituição Brasileira e pelas leis, sejam respeitados.



Um governo não pode tratar os trabalhadores do serviço público com arrogância e indiferença. É justamente isso que tem sido feito no Estado do Maranhão. Não apenas policiais militares e bombeiros são humilhados: os professores, os delegados e policiais civis, apenas para dar um exemplo, são desrespeitados pelo governo do estado, que não cumpre os acordos que firmou com essas categorias.



A paralisação é a única forma de obrigar o governo a negociar. Os trabalhadores não cruzam os braços porque gostam: essa é a arma que usam quando não lhes resta alternativa. Os policiais e bombeiros não são os responsáveis pelo caos na segurança pública do estado: a culpa é dos gestores, que se preocupam apenas com o interesse dos ricos e poderosos.



Se os policiais militares e os bombeiros não têm condições dignas de trabalho e de existência, quem perde é toda a sociedade.



Chega de baderna na gestão pública do Estado do Maranhão.
Chega de desgoverno e de desonestidade.

Ato público em apoio ao movimento dia 29 de novembro de 2011 – Às 17hs em frente ao Quartel do 3º BPM – Rua Leôncio Pires Dourado - Bacuri.


NEGOCIAÇÃO COM OS PMs E BOMBEIROS PRA VALER, JÁ!

- CENTRO DE PROMOÇÃO DA CIDADANIA E DEFESA DOS DIREITOS HUMANOS PADRE JOSIMO.
- SINPOL-MA - SINDICATO DOS POLICIAIS CIVIS DO MARANHÃO
- SINDICATOD DOS SERVIDORES DA JUSTIÇA DO ESTADO DO MARANHÃO
- COODENAÇÃO E ARTICULAÇÃO DOS POVOS INDIGENAS DO MARANHÃO
- STEEI-SINDICATO DOS TRABALHADORES EM EDUCAÇÃO DE IMPERATRAZ
- SINDICATO DOS TRABALHADORES EM EDUCAÇÃO DE DAVINÓPOLIS
- ASMEBSA - ASSOCIAÇÃO DE MULHERES DO BACURI ANHANGEUERA E ADJACÊNCIA
- FETESPULSUMA- FEDERAÇÃO DOS TRABALHADORES EM EST. DE ENSINO E NO SERVIÇO PÚBLICO DO MARANHÃO
- SINDSAÚDE – SINDICATO DOS TRABALAHADORES EM ESTABELECIMENTO DE SAÚDE DA REGIÃO TOCANTINA
- SINDICATO DOS METALURGICOS DE IMPERATRIZ
- FóRUM DE MULHERES DE IMPERATRIZ
- MOVIMENTO DE MULHERES CAMPONESAS
- ASSOCIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO COMUNITÁRIO DO BRASIL
- GRUPO MULHER ÉTICA E LIBERDADE
- CENTRO ACADEMICO DE HISTÓRIA “ Bem-te-vis” – Gestão Roda Viva - UEMA
- UNIÃO MARANHENSE DOS ESTUDANTES DE HISTÓRIA

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Basta de Violência contra as Mulheres!

A violência contra a mulher é um problema escandaloso em nosso país! Segundo o Anuário das Mulheres Brasileiras (2011 - DIEESE e Secretaria de Políticas para Mulheres), o local em que as mulheres mais sofrem violência é dentro de casa. Xingamentos, agressões verbais, humilhações e ameaças também fazem parte do cotidiano e em muitos lares avançam para a agressão física e até morte. É uma combinação entre violência física e violência psicológica.

Segundo o Instituto Avon, a violência assombra principalmente as mulheres que ganham entre 1 e 2 salários mínimos. Na mesma pesquisa, 46% dos entrevistados alegam que o principal motivo para esta realidade é o fato de “o homem se achar dono da mulher”. Esta ideia é uma ideia machista.

O machismo é uma ideologia que ganha força em um sistema social baseado em relações de exploração entre patrões e trabalhadores. Os patrões utilizam o machismo para pagar menos as mulheres trabalhadoras e para dividir a classe trabalhadora. Por isso, a luta contra a violência machista deve ser uma luta de homens e mulheres da classe trabalhadora. Quando um trabalhador agride alguma mulher, está ajudando a reforçar a ideologia do patrão e está dividindo os trabalhadores.

A ausência de políticas estatais para assegurar melhores condições de vida para as trabalhadoras, a criminalização das mulheres que abortam e das mulheres que lutam são a expressão da violência promovida pelo poder público, que secundariza as políticas direcionadas às mulheres

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

SÉRIE ANÁLISE DAS CONTAS DE IMPERATRIZ 2011: RECEITAS

Nesse segundo post continuaremos demonstrando um pouco mais dos resultados da arrecadação do Município de Imperatriz apresentando os percentuais da participação de cada fonte. Sem muita diferença do que havíamos levantado ao analisarmos 2010, Imperatriz ainda é bastante dependente das receitas de transferência da União, isso quer dizer que não temos independência para fornecer políticas públicas aos cidadãos. Tudo o que se garante de forma precária vem de recursos do Fundo de Desenvolvimento da Educação Básica - FUNDEB, Fundo de Saúde – FUS e Fundo Nacional de Assistência Social-FNAS cujos recursos são vinculados, ou seja, só poderá ser gasto diretamente com a finalidade de acordo com o fundo, por exemplo, os recursos do FNAS que são recursos para manutenção do programa Bolsa Família.




Apesar da propaganda e dos discursos dos gestores de Imperatriz em relação ao “crescimento” da economia de Imperatriz, segundo eles, graças aos empreendimentos na construção civil e a instalação da fábrica de celulose da Suzano. Percebemos, então, ao analisarmos os dados, principalmente da arrecadação de recursos próprios que ainda há uma grande dependência financeira de receitas cuja União repassa ao município.

Se formos mais a fundo nessa análise os números comprovam que a elevação de edificações, vinda de empresas, instalações de fabricas não está se refletindo na elevação da arrecadação própria, por que será? Antes de responder essa pergunta vamos ver no gráfico seguinte como foi a evolução da arrecadação com receitas próprias do município, destacando ai as principais IPTU, ITBI e ISS que estão relacionadas aos empreendimentos que tanto os gestores se gabam...



No gráfico fica claro que a elevação da arrecadação com recursos próprios não acompanha a empolgação do prefeito Madeira e os “papagaios” de plantão. Fazendo uma comparação entre 2010 e 2011 no mesmo período houve em 2011 um aumento de R$4.069.181,08 na arrecadação.

Percebemos que há um aumento substancial na arrecadação de multas e juros de IPTU e ISS, além de recebimento de valores inscritos em divida ativa de IPTU, demonstrando assim, que o resultado dos quatro milhões apurados se credita à eficiência na cobrança de impostos atrasados.

Respondendo a pergunta do porque o dito crescimento em obras e vinda de fábricas não está se refletindo na elevação da arrecadação própria do município é simples: é uma questão primordial do capitalismo e de governos neoliberais como o do prefeito Madeira/PSDB, o capital (empresas/industrias) busca condições favoráveis para investir, essas condições depende do meio ambiente (solo, água) e da mão de obra, mas acima de tudo é o comprometimento dos governos em facilitar sua vinda através de criações de legislação de isenção fiscal(Lei Complementar nº 003/2010) e ambiental. Todas essas condições foram garantidas, a prefeitura aprovou na câmara uma lei que perdoou dividas e isentou de vários tributos das empresas, inclusive a isenção por 20 anos de tributos para a implantação da fabrica da Suzano. O surgimento de novos empreendimentos nunca gerará mais recursos se governos neoliberais cumprem à risca o manual neoliberal de garantir o lucro dos patrões.


Fonte dos dados: PORTA DA TRANSPARÊNCIA DE IMPERATRIZ

terça-feira, 22 de novembro de 2011

VI Marcha da Periferia, 25 de novembro de 2011

A Marcha da Periferia é um grande ato durante a Semana da Consciência Negra, realizado há seis anos no Maranhão, tendo à frente o Movimento Hip Hop e organizado pelo Quilombo Urbano. Neste ato com o lema “Contra a Violência e a Criminalização da Pobreza” se juntam moradores da periferia, operários, estudantes, professores, movimentos negros e quilombolas, grupos de Hip Hop, sem tetos, sem terra, partidos de esquerda e todos aqueles que desejam construir um Brasil sem desigualdade social, sem violência, sem discriminação de qualquer espécie, em fim, sem capitalismo.

A marcha acontecerá nesta sexta feira (25/11), concentração a partir das 16 horas na Praça Deodoro, em São Luis. O percurso passa pelo centro comercial e centro histórico (REVIVER) encerrando no circo da cidade com apresentações culturais com o grupo de Hip Hop “Gíria Vermelha” e outros artistas participantes.






Mais informações em Blog do Quilombo Urbano

sábado, 19 de novembro de 2011

SÉRIE ANÁLISE DAS CONTAS DE IMPERATRIZ-2011: ARRECADAÇÃO

Há quarenta e cinco dias para o fim do exercício financeiro de 2011 damos inicio a já tradicional série de posts da análise das contas públicas de Imperatriz. Nosso objetivo é dar nossa visão do que representa a “salada” de números que as gestões municipais “fornecem” sem fazer relação aos problemas vivenciados pela população imperatrizense, principalmente com educação, saúde e infraestrutura da cidade.

Nesse primeiro gráfico apresentamos o montante arrecadado com recursos próprios (tributos, taxa e contribuições de melhoria) e receitas de transferências (FPM, ICMS, ITC etc), ou seja, todo o recurso efetivamente creditado nos cofres públicos e disponíveis para serem destinados ao pagamento de pessoal, fornecedores, divida e possíveis investimentos, mês a mês em comparação ao mesmo período do ano de 2010.




Fontes: Site Transparência de Imperatriz e Banco do Brasil

Podemos observar uma elevação da arrecadação nos primeiros seis meses de 2011 em comparação ao mesmo período de 2010, até mesmo em comparação ao ultimo trimestre (OUT/2010 R$22.273.480,41; NOV/2010 R$23.493.205,27; DEZ/2010 R$26.831.128,15). A partir de junho de 2011 podemos observar uma redução na arrecadação quase que chegando aos valores de 2010.

Nos próximos posts estaremos dando mais dados, tanto de arrecadação como de gastos para vermos como esses recursos foram empregados e, caso ainda estejam depositados nas contas bancárias do município questionar aos senhores gestores o que esse dinheiro estaria fazendo nas contas enquanto muitos bairros periféricos se encontram num total abandono, e outros com serviços executados de forma precária.

Precisamos lembrar também da inoperância dos vereadores que não tem conhecimento necessário do seu papel, e nem tem interesse em buscá-lo, que é acompanhar a arrecadação e a execução dos gastos questionando ao prefeito se é ou não prioridade para a população de Imperatriz.

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

VÍDEO: A GENTE TEM QUE CHEGAR LÁ, 10% DO PIB PARA A EDCUAÇÃO PÚBLICA JÁ!

Este vídeo foi produzido pelo Fórum Estadual [Maranhão] em Defesa da Educação Pública em parceria com a APRUMA e CSP CONLUTAS especialmente para a Campanha dos 10% do PIB para a Educação Pública Já com a realização do Plebiscito popular que deu inicio a coleta de votos no Maranhão nesta quinta-feira (17/11), na oportunidade foi realizado uma AULA PÚBLICA na Praça Deodoro com a presença de representantes do FORUM da CSP CONLUAS, ANEL, QUILOMBO URBANO e do Professor Miguel Malheiros da CSP Conlutas - RJ e do Instituto Latinoamericano de Estudos Socioeconômicos - ILAESE.







FONTE: PSTU-IMPERATRIZ

segunda-feira, 14 de novembro de 2011

SUGESTÃO DE LIVRO: O LIVRO NEGRO DO CAPITALISMO

Mas negro que os fatos levantados no livro é a realidade de barbárie na qual a humanidade caminha à passos largos com a manutenção desse sistema escravizador do corpo e das mentes dos homens.

O enfrentamento ideológico aos lacaios do capitalismo deve ser feito constantemente, pois esses defendem seus patrões no anseio de um dia se tornar um também, só que na prática passam a vida toda curvado, quem sebe numa reencarnação eles não consigam.





"Costuma-se dizer que o capitalismo é um estado natural da humanidade. Assim, se o capitalismo tem suas catástrofes, essas são igualmente catástrofes naturais, sem rosto, sem responsável. Afinal, como responsabilizar o índice Dow Jones? Como odiar uma instituição como o FMI? O LIVRO NEGRO DO CAPITALISMO é uma obra atual, séria e documentada sobre aspectos essenciais de um modelo econômico, de uma ideologia e de uma política que, na sua prática, têm — ao longo da história e em todo o mundo — produzido injustiça, discriminação, desigualdade e exclusão social.

Organizado por Gilles Perrault, esta obra reúne artigos de historiadores, economistas, sociólogos, sindicalistas e escritores como Jean Suret-Canale, Phillippe Paraire, Claude Willard, Pierre Durand, François Delpla, Robert Pac e Jean Ziegler. Cada um escolheu sobre que variável do capitalismo escrever: Escravidão, repressão, tortura, violência, roubo de terras e recursos naturais, criação e divisão artificial de países, imposição de ditaduras, embargos econômicos, destruição dos modos de vida dos povos e das culturais tradicionais, devastação ambiental, desastres ecológicos, fome e miséria.

Mas que adversário real ainda pode existir para o capitalismo, depois de ele ter vencido todas as batalhas? Para Gilles Perrault, o adversário é a multidão civil envolvida no processo. “O fantasma daquela multidão deportada da África para as Américas, daqueles sacrificados nas trincheiras de uma guerra absurda, daqueles queimados vivos pelo napalm, torturados até a morte nas celas dos cães de guarda do capitalismo, os fuzilados na Espanha, os fuzilados na Argélia, as centenas de milhares de massacrados na Indonésia, os que foram quase erradicados, como os índios das Américas, os que foram sistematicamente assassinados na China para garantir a livre circulação do ópio. De todos aqueles, as mãos dos sobreviventes receberam a chama da revolta do homem a quem a dignidade foi negada. As mãos quase inertes das crianças do Terceiro Mundo diariamente mortas aos milhares pela subnutrição, as mãos descarnadas dos povos condenados a pagar os juros de uma dívida que serviu apenas para enriquecer seus dirigentes, as mãos trêmulas dos que mendigam ao lado da opulência. Mãos que ainda irão se unir.” "

546 páginas - 1999
Editora RecordRua Argentina 171 - Rio de Janeiro - RJ


20921-380

Tel.: (0XX) 21 585-2000

Pedidos pelo reembolso postal

Caixa Postal 23.052

Rio de Janeiro, RJ - 20922-970

domingo, 13 de novembro de 2011

MRP DESMASCARA MANOBRA DO SINPROESEMMA EM FAVOR DO GOVERNO DO ESTADO E CONTRA OS PROFESSORES

MRP - MOVIMENTO DE RESISTENCIA DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: Não falta dinheiro! O que falta é vontade política em se valorizar o magistério público estadual e vergonha na cara de muita gente.

Enquanto a diretoria do SINPROESEMMA (PCdoB/PT/CTB) limita-se a lamentar a não concessão do reajuste salarial, o governo faz a farra com os recursos do FUNDEB. Ressalta-se, recentemente a fundação José Sarney foi estatizada e será mantida com os recursos da educação.

Vejam só:

A previsão de receitas para o FUNDEB (rede estadual) ano 2011 é de: R$ 1.004.724.846,72

Desse montante, já foi creditado até o dia 12/11 o total de R$ 956.518.193,40. Esse valor supera o volume de recursos totais destinados à rede estadual em 2010. Ano passado os recursos foram da ordem de R$ 760.638.371,64. Hoje, isso representa um crescimento da ordem de 25,75% e em se efetivando a previsão de receitas, teremos um crescimento de 32,08%, no final do ano.

Lamentavelmente, governo e diretoria do SINPROESEMMA desconsideram esses números, na medida em que, o primeiro afirma para a nossa categoria ter dificuldades financeiras e que por isso, só pode conceder o reajuste de 20% parcelado (nov/11; março/12 e set/12) para os professores das classes 3 e 4, os demais não terão reajuste algum em 2012.O segundo faz um jogo de cena no intuito de ludibriar a nossa categoria, entretanto, suas ações servem mesmo aos interesses governistas que dia após dia vem ganhando tempo e a nós tem restado somente prejuízos. Hoje toda a nossa categoria deseja esse reajuste, porém, para que ele seja concedido é necessário a aprovação do PL 248/11. Esse projeto de lei construído pela parceria GOVERNO -SINDICATO não versa exclusivamente sobre o reajuste salarial, mas também objetiva reestruturar o ESTATUTO DO MAGISTÉRIO e aqui é que mora o perigo, afinal o governo concede o reajuste mas modifica a seu modo a nossa política salarial, sendo assim, sairemos perdendo, na medida em que ela não está pautada na lei do PISO. Essa proposta de alteração do ESTATUTO DO MAGISTÉRIO deveria ser discutida com a nossa categoria, entretanto, isso não acontecerá. Porque será que a diretoria do sindicato não realizou uma única assembleia para ouvir a nossa categoria a esse respeito?

Observem que os dirigentes do SINPROESEMMA nunca fizeram o debate desses números conosco e certamente, também não o realizaram com o governo. Quem já ouviu no programa de rádio, na TV ou mesmo no jornal do sindicato esses esclarecimentos? Aqui, não podemos nem de longe imaginar que nossos dirigentes sindicais não o realizam por desconhecer esses números, agem de caso pensado, há toda uma intencionalidade por trás disso, afinal para garantir os interesses particulares de um grupo é necessário sacrificar os direitos da maior categoria de servidores públicos estaduais. Por essas e outras é que ano após ano somos ultrajados em nossos direitos e sofremos as consequências da maléfica política de arrocho salarial. Não podemos esquecer que essa parceria GOVERNO-SINDICATO já nos prejudicou por demais, quem não lembra dos 7 anos em que ficamos sem reajuste salarial, nos dois primeiros governos de Roseana? Até quando permitiremos que aliados do governo estejam a frente da nossa estrutura sindical? Se não mudarmos isso, dificilmente a nossa realidade será transformada. Obs: Os números acima foram retirados do site do FNDE

MAIS INFORMAÇÕES ACESSEM BLOG DO MRP

ESSA AULA OS POLÍTICOS BRASILEIROS "MATARAM", 10% DO PIB PARA EDUCAÇÃO PÚBLICA JÁ!







Os sindicatos, DCE's, CA's, associações, pessoas que quiserem participar do plebiscito popular basta deixar uma mensagem como comentário com um contato para que possamos dizer como pode participar votando ou coletando voto.

quinta-feira, 10 de novembro de 2011

ANÁLISE DAS CONTAS DA PMI 2011

No fim do ano passado fizemos o levantamento das receitas e despesas da prefeitura de Imperatriz através do site "Transparência Imperatriz", os dados serviram de base para a elaboração de uma série de posts. Neste ano estarei repetindo essa série.

Já temos algumas curiosidades que poderão ao não ser comprovadas com o resultado da análise desses dados. Outras se repetirão como os altos custos para manter secretárias como Desenvolvimento econômico e da Mulher, tendo gastos basicamente com folha de pagamento, um verdadeiro cabide de emprego a correligionários.


Por ser um ano pré-eleitoral, geralmente a forma do gasto mudam se caracterizando um arrocho em áreas essenciais como educação, saúde e infreestrutura para uma intensiva no ano eleitoral, com o único objetivo de mascarar o abandono de anos anteriores.

terça-feira, 8 de novembro de 2011

A tinta vermelha: discurso de Slavoj Žižek aos manifestantes do movimento Occupy Wall Street

Slavoj Žižek visitou a Liberty Plaza, em Nova Iorque, para falar ao acampamento de manifestantes do movimento Occupy Wall Street (Ocupe Wall Street), que vem protestando contra a crise financeira e o poder econômico norte-americano desde o início de setembro deste ano.


[...]


"Em meados de abril de 2011, a mídia revelou que o governo chinês havia proibido a exibição, em cinemas e na TV, de filmes que falassem de viagens no tempo e histórias paralelas, argumentando que elas trazem frivolidade para questões históricas sérias – até mesmo a fuga fictícia para uma realidade alternativa é considerada perigosa demais. Nós, do mundo Ocidental liberal, não precisamos de uma proibição tão explícita: a ideologia exerce poder material suficiente para evitar que narrativas históricas alternativas sejam interpretadas com o mínimo de seriedade. Para nós é fácil imaginar o fim do mundo – vide os inúmeros filmes apocalípticos –, mas não o fim do capitalismo.

Em uma velha piada da antiga República Democrática Alemã, um trabalhador alemão consegue um emprego na Sibéria; sabendo que todas as suas correspondências serão lidas pelos censores, ele diz para os amigos: “Vamos combinar um código: se vocês receberem uma carta minha escrita com tinta azul, ela é verdadeira; se a tinta for vermelha, é falsa”. Depois de um mês, os amigos receberam a primeira carta, escrita em azul: “Tudo é uma maravilha por aqui: os estoques estão cheios, a comida é abundante, os apartamentos são amplos e aquecidos, os cinemas exibem filmes ocidentais, há mulheres lindas prontas para um romance – a única coisa que não temos é tinta vermelha.” E essa situação, não é a mesma que vivemos até hoje? Temos toda a liberdade que desejamos – a única coisa que falta é a “tinta vermelha”: nós nos “sentimos livres” porque somos desprovidos da linguagem para articular nossa falta de liberdade. O que a falta de tinta vermelha significa é que, hoje, todos os principais termos que usamos para designar o conflito atual – “guerra ao terror”, “democracia e liberdade”, “direitos humanos” etc. etc. – são termos FALSOS que mistificam nossa percepção da situação em vez de permitir que pensemos nela. Você, que está aqui presente, está dando a todos nós tinta vermelha."


Todos sabem que não sou de publicar texto de outras pessoas, mas esse não tem como não postar.


Leia texto completo no blog PSTU IMPERATRIZ

Um Chamamento ao Novembro Vermelho do Maranhão

Um Chamamento ao Novembro Vermelho do Maranhão: em defesa da Educação Pública e contra a criminalização da pobreza.
*Por Hertz Dias

Dois importantes eventos sacudirão a cidade de São Luís nas próximas semanas: o Plebiscito em defesa da destinação de 10%do PIB para a educação pública que acontecerá no período de 06 de Novembro a 06 de Dezembro e a VI Marcha da Periferia que esse ano traz como tema “Contra a Criminalização da Pobreza” e acontecerá no período de 14 a 27 de novembro.

Esses dois eventos tratam de questões que estão intrinsecamente ligadas e possibilitarão reaproximar dois segmentos que jamais deveriam está separados, a juventude das periferias e seus educadores, os seja, os dois principais sujeitos históricos de defesa da escola pública. Exigir que a presidenta Dilma aplique 10% do PIB na educação pública significa fazer com que o Estado estenda seu “braço social” às periferias. Significa igualmente dizer que os problemas da periferia não são simples caso de polícia, aliás, nunca foram.

Infelizmente, nos últimos anos os governos têm, muito sabiamente, jogado a juventude das escolas públicas contra os movimentos dos educadores, especialmente em momentos de greves. Por outro lado, muitos educadores têm desconsiderado os movimentos culturais que emergem das entranhas do obscuro e violento cotidiano das periferias brasileiras; e o Hip Hop é um desses movimentos.

A Marcha da Periferia, que surgiu em 2006 na cidade de São Luís a partir da iniciativa de militantes do Movimento Hip Hop Organizado do Maranhão “Quilombo Urbano”, este ano estará sendo realizada também em São Paulo com a perspectiva de se transformar em um evento nacional para os próximos anos. Rio de Janeiro e Ceará já sinalizam nesse sentido. Do mesmo modo, o Plebiscito dos 10% do PIB para educação pública deve envolver o maior número possível de jovens filhos da classe trabalhadora. Esses dois eventos deverão ser construídos a quatro mãos, deve ser o reencontro do “elo perdido” da corrente dessas duas gerações cuja dependência é recíproca.

O caos da educação pública é parte do processo de criminalização da juventude negra e pobre deste país e a criminalização dos educadores deste país é a porta de entrada para a “marcha fúnebre” que querem fazer seguir a educação pública. Somente a unidade entre esses dois setores em aliança com o conjunto da classe trabalhadora pode reverter essas duas drásticas situações.

Se na educação o déficit é de aproximadamente 500 mil professores, nos presídios o superávit é de 700 mil presos. O que sobra nos presídios falta nas escolas. Só em 2008 o investimento em segurança pública (repressão contra os pobres) cresceu aproximadamente 15%, enquanto nos últimos dez anos o PIB para educação não saiu da casa dos 4%. Mas, só para o pagamento da dívida pública o governo destina 49% do PIB.

No entanto, Dilma quer postergar para 2020 a aplicação de apenas 7% do PIB. Quer condenar a educação pública a mais dez anos de caos. Nós defendemos 10% do PIB Já! e só para educação pública. Sendo assim, caminhar de mãos dadas nesse momento significa unir os diferentes que fazem parte da mesma classe, a dos que produzem, mas não usufruem das riquezas produzidas.

No dia 17 de novembro, quinta-feira, haverá um ato-show com aula pública em defesa da aplicação dos 10% do PIB para educação pública. A aula será ministrada em plena Praça Deodoro, centro de São Luís, pelo professor Miguel Malheiros do Sindicato Estadual de Profissionais da Educação do Estado do Rio de Janeiro (SEPE-RJ) e membro do Instituto Latino Americano de Estudos Sócio Econômicos (ILAESE) e pela estudante Clara Saraiva da executiva nacional da Assembléia Nacional dos Estudantes Livres (ANEL). Nesse dia, a partir das 15h, as escolas públicas de São Luís deverão ser “silenciadas” e a Praça Deodoro deverá ser transformada numa grande sala de aula em defesa da educação pública. Os alunos deverão está junto com os seus professores.

No dia 25 de novembro, sexta-feira, será a vez da IV Marcha da Periferia, o local e o horário serão os mesmos e a estratégia também. As escolas públicas deverão ser igualmente silenciadas às 15h. Desta vez os professores deverão está juntos com os seus alunos numa grande caminhada pelo centro comercial de São Luís até o Circo Cultural da Cidade onde acontecerá o 22º Festival Hip Hop-Zumbi.


Um Novembro sem igual começa a ser construído, o mais vermelho de todos. Zumbi, Negro Cosme, Magno Cruz, Maria Aragão e Maria Firmina agradecerão aos que se fizerem presentes nessas atividades.

* Professor da Rede Estadual, membro da Oposição e Militante do Quilombo Urbano

quinta-feira, 3 de novembro de 2011

Vídeo do ator Wagner Moura para a campanha #florestafazadiferença

Vídeo do ator Wagner Moura para a campanha #florestafazadiferença, desenvolvida pelo Comitê Brasil em Defesa das Florestas e do Desenvolvimento Sustentável






Assistam outro em www.florestafazadiferenca.org.br

ATO PÚBLICO EM APOIO À OCUPAÇÃO DA FUNAI E PELAS REIVINDICAÇÕES DOS POVOS INDÍGENAS DO MARANHÃO

Após ocupação do prédio da FUNAI em Imperatriz os povos indígenas divulgaram através de uma Carta Aberta a lista de reivindicações exigidas por eles.

A sociedade civil de Imperatriz que se solidariza com as reivindicações dos povos indígenas que a cada dia estão sendo dizimados com a expansão das cidades, com a implantação de áreas agrícolas e indústrias que poluem ar, solo e água nas proximidades de suas reservas e com a extração de madeira de forma ilegal por madeireiros farão nesta quinta-feira, 3 de outubro às 18 horas, um ato em frente da FUNAI.

Devido às condições nas quais os indígenas foram recebidos pela administração que ordenou a suspensão da energia elétrica e água, os apoiadores do movimento solicitam a todos que quiserem colaborar doando alimentos no momento do ato poderão levá-los.

Só reforçando, ato hoje às 18 horas em frente a sede da FUNAI de Imperatriz em apoio às reivindicações dos povos indígenas.

Carta ao PCdoB de Anita Prestes‏

Ao Comitê Central do
Partido Comunista do Brasil (PCdoB)


Dirijo-me à direção do PCdoB para externar minha estranheza e minha indignação com a utilização indébita da imagem dos meus pais, Luiz Carlos Prestes e Olga Benario Prestes, em Programa Eleitoral desse partido, transmitido pela TV na noite de ontem, dia 20 de outubro de 2011.


Não posso aceitar que se pretenda comprometer a trajetória revolucionária dos meus pais com a política atual do PCdoB, que, certamente, seria energicamente por eles repudiada. Cabe lembrar que, após a anistia de 1979 e o regresso de Luiz Carlos Prestes ao Brasil, durante os últimos dez anos de sua vida, ele denunciou repetidamente o oportunismo tanto do PCdoB quanto do PCB, caracterizando a política adotada por esses partidos como reformista e de traição da classe operária. Bastando consultar a imprensa dos anos 1980 para comprovar esta afirmação.


Por respeito à memória de Prestes e de Olga, o PCdoB deveria deixar de utilizar-se do inegável prestígio desses dois revolucionários comunistas junto a amplos setores do nosso povo, numa tentativa deplorável de impedir o desgaste, junto a opinião pública, de dirigentes desse partido acusados de possível envolvimento em atos de corrupção.



Atenciosamente,


Anita Leocádia Prestes

segunda-feira, 31 de outubro de 2011

AGENTES DA POLICIA CIVIL TRABALHAM COMO “OLHEIROS” DA VBL

Durante a reunião na prefeitura municipal, na qual os taxistas que faziam protesto pedindo o fim da perseguição promovida pela prefeitura pela falta de projeto para regularização e normatização da prestação de serviço de taxi compartilhado foi assinado um documento que os taxistas teriam que voltar aos pontos fixos e aqueles que voltassem a compartilhar as corridas seriam multados em dez mil reais.

Até ai ficou tudo certinho, nos dias posteriores os taxistas notaram que ao passar por alguns pontos da cidade – rua Padre Cícero com Rio Grande de Norte – havia uma pessoa fixa com um caderninho anotando algo, curiosos os taxistas questionaram a pessoa que não teve nenhuma descrição e relatou qual tarefa estava realizando. Segundo a pessoa estava a serviço da VBL para anotar os taxis que passavam pelo trecho para que seja entregues às “autoridades” e que era agente de polícia civil. Afirmou ainda, que outros agentes locados em outros pontos também tinham a mesma tarefa dele.

Sabemos que os servidores públicos da policia civil sofrem com o governo do estado que paga mal os agentes civis, fazer “bico” não vejo problema seja da VBL ou de uma boate, o que não pode é usar é o poder de policia fora do trabalho.

Enquanto à fiscalização é estranho que a interessada assuma o papel de fiscalizar se há ou não a continuidade do serviço de compartilhamento, tão pouco, se o taxi que circula pela cidade está ou não compartilhando o serviço. Isso deve ser feito pelas PM ou SETRAN, pra mim esse tipo de ação é igual a uma gravação sem autorização judicial, não serve como prova e é crime.

Como podem ver, o poder econômico ainda é quem manda, e a gestão municipal cumpre o papel de menino de recado da VBL sem tomar nenhuma medida concreta para resolver o problema e garantir a locomoção dos trabalhadores e estudantes Imperatriz.

sexta-feira, 28 de outubro de 2011

TRABALHADORES DE TAXI COMPARTILHADO MUDAM DE POSTURA

Sou defensor da teoria que só através da luta direta e declarada entre classes (burguesia x operário) se tem maior possibilidade de ser resolver problemas e elevar o nível de consciência dos trabalhadores, apesar da correlação de forças desfavorável aos trabalhadores, pois o burguês tem o poder político, econômico e judicial para garantir seus desejos, em muitos casos a elevação da consciência de classe é mais vantajosa que a própria vitoria pontual.

Durante três anos o prefeito de Imperatriz Sebastião Madeira - que havia prometido em campanha a regulamentação do serviço de compartilhamento de taxi – persegue os trabalhadores para defender a empresa VBL – Viação Branca do Leste – que tem a concessão do serviço coletivo municipal, mas que há muito tempo vem explorando trabalhadores e clientela com preços abusivos na tarifa.

Só agora, depois do acirramento dessa perseguição que os associados perceberam que o presidente da associação dos taxistas era o principal entrave na luta pela regularização do serviço, pois o antigo presidente é correligionário do gestor - tendo sua esposa como comissionada na prefeitura – e fez “corpo mole” para não bater de frente contra seu patrão. Após assembléia os associados escolheram nova direção e prometem lutar em pé de igualdade na instancia judicial para garantir o direito de trabalhar, servindo a comunidade.

A postura dos trabalhadores mudou, isso se percebe ao conversar com eles durante uma “corrida”, deixaram de por nas mãos de dissimulados politiqueiros para tomar uma postura de confronto em todas as instancias necessárias para garantir o direito de trabalhar sem a sensação estarem num ilícito como tenta passar os secretários e o próprio prefeito. Se ele tinha consciência que era ilícito o serviço porque foi um dos pontos de promessa perante a categoria durante a campanha eleitoral? Simples, é que sua dissimulação rompe a barreira da verdade se o resultado pode ser mais um voto no 45.

Estaremos acompanhando de perto o desenrolar dos acontecimentos, aguardem novos posts tenho mais informações sobre o que vem acontecendo nesse conflito.

terça-feira, 25 de outubro de 2011

V Assembleia Estadual da ANEL Maranhão

Militantes estudantis em nível fundamental, médio e superior do Maranhão realizarão neste próximo fim de semana, dia 29/10, a V Assembléia Estadual da ANEL Maranhão.






Fonte: Coordenação ANEL Maranhão


sábado, 22 de outubro de 2011

VBL E PREFEITURA X TAXI-LOTAÇÃO

Há mais de três anos o conflito entre prefeitura e taxis-lotação vem tendo capítulos onde ambos os lados não tem como chegar a uma solução. A prefeitura se diz “obrigada” a cumprir decisão judicial cuja foi movida pela empresa de VBL, antiga Transportes Coletivo de Imperatriz TCI.

Precisamos analisar as questões materiais desse conflito, no nosso ponto de vista só poderá ser resolvido pelo poder público com uma medida enérgica na solução da problemática do transporte público de Imperatriz, com o objetivo de garantir bons serviços no transporte: passagens baratas, paradas com conforto e segurança, pontualidade e agilidade.

Ao longo dos anos a empresa VBL tem tomado medidas que vão na contramão das necessidades de seus usuários, promovendo aumento e/ou manutenção do preço da tarifa de transporte absurda em nossa cidade. Irrisórios investimentos no melhoramento da frota de ônibus, o tempo de espera dos passageiros nas paradas ultrapassando os 45 minutos e, em nossa opinião o mais grave, redução das vagas de trabalho ao colocar dupla função ao motorista, que hoje exerce a função de motorista-cobrador. Todas essas medidas a fim de reduzir os custos e aumentar o lucro tinham a justificativa de que as vias urbanas eram péssimas para o trafego dos veículos que quebravam, mais o que vemos é que, o poder público, quando asfalta, tem como preferência sanar os problemas prioritariamente nessas vias onde circulam os coletivos.

O serviço de taxi-lotação deu-se origem justamente na falha desse serviço essencial para qualquer cidade do mundo: a população tem necessidade de se locomover, os trabalhadores (motoristas/cobradores) precisam de trabalho. Essa questão foi muito tempo depois, com o fim da paciência da população tomando formas de uma prestação de serviço alternativo em nossa cidade. Tendo êxito na prestação de serviços por se igualar à tarifa – cara – dos ônibus com a vantagem da agilidade e conforto.

A lei da física diz que dois corpos não podem ocupar o mesmo espaço num dado tempo, então se comprovou isso no serviço de taxi-lotação, ao serviço de transporte coletivo deixar de ocupar - com a qualidade que os clientes exigem – seu espaço, então, veio os taxis-lotação. Outro fator é a falta de definição o que é lotação, pois um taxi “normal” não está impedido de pegar passageiros estando em movimento pela cidade, e ao parar várias pessoas acordadas resolver compartilha o taxi, o taxista recusa a corrida? Tenho certeza que não. Então o serviço de taxi-lotação não existe, o que existe são taxis regularizados que aceitam que a corrida seja compartilhada.

Para engrossar a discussão ainda temos os serviços de taxi e moto-taxistas, que vendo uma “concorrência” direta, embora não haja, tomam posições contra os trabalhadores de categorias similares à deles, esquecendo que também tiveram que lutar para conquistar o que hoje dizem que são seus direitos.

Concluímos então que, só existe o conflito e a perseguição aos trabalhadores no serviço de taxi compartilhados porque há uma ação judicial movida por uma empresa de transporte coletivo privado. E, a prefeitura sendo o órgão responsável pelo cumprimento da ordem judicial diz ser obrigada a cumprir. Então a solução parte por municipalizar(estatização) o serviço de transporte publico municipal absorvendo assim, mão de obra advinda desses trabalhadores, garantindo um serviço barato e de qualidade, passe livre aos estudantes e desempregados, sem a perseguição do poder publico aos que permanecerem prestando o serviço de compartilhamento de taxi.

quinta-feira, 20 de outubro de 2011

MARANHÃO: O ESTADO AINDA NÃO DEIXOU DE SER UMA CAPITANIA HEREDITÁRIA

Bem bolada a definição da jovem jornalista do SBT sobre o Estado do Maranhão: "um estado que mais parece uma capitania hereditária".

Ainda me lembro das aulas de história na quarta série, que justamente apresentei um trabalho sobre o assunto, lembro até da definição que usei: “Capitania hereditária eram lotes de terras doados a fidalgos e colaboradores da coroa portuguesa...”.

Parece que só o povo do Maranhão não percebe o quanto representa o atraso que essa família e seus abutres que dão sustentação nas esferas de poder: mídia, política e judiciário



Vídeo postado por BlogMarapá

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

NOVO BLOG: PSTU IMPERATRIZ

Militantes do PSTU DE IMPERATRIZ divulgam blog oficial do partido. O objetivo do blog é criar um canal de propaganda e agitação na rede, direcionado ao Municipio de Imperatriz e refletindo as discussões estaduais, nacionais e internacionais da luta de classe.



Em nota o militante Wilson Leite faz uma chamado aos trabalhadores de Imperatriz com o objetivo de fortalecer o partido tendo como foco a composição massificado no proletariado da cidade. Segue nota da integra:

Aos Trabalhadores de Imperatriz

Sempre estivemos sob a bandeira do socialismo, com esse fim, após a ida do Partido do Trabalhadores, em 2002, para se tornar um partido de sustentação da ordem burguesa ajudamos a construir o PSOL, entre 2005 e 2010, que pretendia ocupar o espaço deixado pelo antigo PT. Nesses cinco anos procuramos manter a coerência e a moral revolucionária, premissa fundamental de um militante de esquerda. Conseguimos ser reconhecido pelos trabalhadores de Imperatriz e do Maranhão como aliados na luta contra a exploração dos patrões.


Juntamente com outros camaradas, em abril de 2011, decidimos nos retirar desse partido, após vários embates ideológicos e políticos com as direções nacionais do partido, inclusive, Heloísa Helena, que começou a se colocar acima da militância de base e do Partido. Chegamos assim à conclusão de que o PSOL também havia se curvado à lógica capitalista e hasteou a bandeira branca, preferindo assim ocupar apenas cargos eleitorais da democracia burguesa, uma degeneração programática completa.



Dando continuidade na nossa contribuição em ser um “peso” na luta de classes em favor dos trabalhadores com o objetivo da tomada do poder político e econômico mundial e, em especial, no espaço geográfico do Estado e do município que atuamos. Durante quatro meses debatemos com a militância do PSTU e, em 22 de setembro decidimos por ingressamos às fileiras do Partido Socialista dos Trabalhadores Unificado.



Não começaremos do zero, o PSTU é um partido no qual sempre compomos uma frente de ação nas lutas da classe trabalhadora no Maranhão. E, com nossa coerência quando representávamos o PSOL de Imperatriz certamente os trabalhadores imperatrizenses continuarão nos vendo como membro da classe que nunca deixará de defender os objetivos pontuais e estratégicos para capitular à conciliação de classe que sempre pende à garantir os anseios da burguesia.


Recebemos a tarefa de construir juntamente com outros trabalhadores de Imperatriz o PSTU, com apoio da militância de base e dos dirigentes regionais e nacionais do partido. É com toda serenidade que acolhemos a tarefa e, com toda certeza seremos bem sucedidos, conseguindo chegar aos trabalhadores de Imperatriz para termos um partido forte composto em sua maioria por trabalhadores conscientes do papel de um partido revolucionário e de seus militantes rumo ao objetivo comum a todos os trabalhadores: a tomada dos meios de produção, derrubada do capitalismo, pelo fim da propriedade privada, da garantia de alimentos, moradia, educação, saúde e pela emancipação do homem.


Saudações Socailistas,


Wilson Leite

sexta-feira, 14 de outubro de 2011

LIVRO: PT: DE OPOSIÇÃO À SUSTENTAÇÃO DA ORDEM, CYRO GARCIA


Gostaria de indicar o livro do meu camarada, Cyro Garcia. O livro: “PT: de oposição à sustentação da ordem” relata a trajetória do PT, desde sua fundação até os dias de hoje, tem o prefácio escrito por Valério Arcary* que pode ser lido na integra no link: aqui

Já grifei logo no inicio da leitura esse trecho do prefácio:

(...)Ensina uma boa escola historiográfica que para explicar o passado e, em especial, para elaborar uma história das idéias políticas dos partidos nas sociedades contemporâneas, é bom admitir que as cabeças acompanham o chão que os pés pisam. E a direção do PT deixou de pisar as portas de fábrica, e passou a pisar os tapetes dos parlamentos e dos palácios. Deixou de correr os riscos que são inerentes às lutas operárias e populares, e escolheu o conforto das concertações sentados à volta de mesas cercados de autoridades que representam a riqueza e o poder. Como se diz nas ruas, pegaram o gosto pela coisa.

Ainda esse ano o livro deve ser lançado no Maranhão, veremos a viabilidade de realizar o lançamento conjunto em Imperatriz. Até lá o livro pode ser adquirido é só falar comigo.


*Valerio Arcary, professor do IFSP (Instituto Federal de São Paulo), é autor de As Esquinas Perigosas da História, situações revolucionárias em perspectiva marxista

quarta-feira, 12 de outubro de 2011

PERDA CAPITALISTA: MORRE SEU PRINCIPAL VENDEDOR, STEVE JOBS.

O modo de produção de mercadorias e os capitalistas tiveram neste mês uma grande perca com a morte de Steve Jobs, criador de uma das maiores corporações no ramo da informática com foco ao entreterimento em forma de mercadorias compactas e com fácil interface para o usuário.

Como é comum na propaganda capitalista, Steve Jobs foi apresentado como um “gênio” que criou mercadorias inovadoras, compactas, baratas e de fácil aceitação pelas massas como: iPads, iPods e iPhones entre outros que tiveram grande impacto mundial, mudando conceitos em diversas áreas, como informática, publicações e indústria musical.

Esses exemplos são passados de vez enquanto para tentar convencer as massas que apenas no capitalismo é possível desenvolvimento tecnológico e o poder criativo do homem, além disso, reforçando o individualismo para mascarar a exploração dos verdadeiros desenvolvedores que estão nos laboratórios, dedicados à pesquisa e aos experimentos, os trabalhadores.

É muito comum o capitalismo omitir o sujeito principal do desenvolvimento tecnológico e de tantas outras áreas. Focam a apresentação de um único ser: fundador de um banco bem sucedido, um grande empresário das Comunicações: Silvio Santos e Roberto Marinho; Bill Gates e Steve Jobs para incentivar o individualismo comum do liberalismo como doutrina. Mas em todos esses casos foram os trabalhadores, explorados pelo capitalismo, que desenvolveram conhecimento e a evolução tecnológica, a mais-valia(riqueza) que é atribuída a esse único ser.

Realmente é uma grande perda para o capitalismo a morte de Steve Jobs, precisarão construir a partir de agora um novo “gênio” para continuar apresentando novas mercadorias para serem consumidas, possibilitando assim, a manutenção da forma de exploração dos trabalhadores através desse modo de produção.

terça-feira, 4 de outubro de 2011

GREVE DOS CORREIOS CONTINUA, ATÉ QUE A CATEGORIA DECIDA EM ASSEMBLEIAS.

Apesar do que vem sendo veiculado por parte da imprensa, a greve continua. Nesse dia 5 ocorrem assembleias nos estados que vão decidir os rumos do movimento.

Cerca de dois mil trabalhadores dos Correios acompanharam, do lado de fora, a audiência no Tribunal Superior do Trabalho (TST) entre o Comando de Greve e a direção da empresa. Caravanas de várias partes do país foram a Brasília protestar por reajuste e contra o corte dos dias parados realizados pelo governo. Os funcionários dos Correios completaram 21 dias de greve nesse dia 4 de outubro, demonstrando força e indignação com a forma truculenta com que o governo vem tratando o movimento.

Após quatro horas de negociação, a vice-presidente do TST, Maria Cristina Irigoyen Peduzzi chegou a um acordo com a maioria do Comando (setor ligado à Fentect, a Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas de Correios, Telégrafos). O acordo estabelece reajuste de 6,87% retroativo a agosto e aumento linear de R$ 80 a partir de outubro, mas mantém o desconto nos dias parados, um dos principais entraves nas negociações entre a direção da ECT e os trabalhadores.

Dias parados
Sobre um dos principais entraves na negociação entre trabalhadores e o governo, a direção da empresa, pelo acordo, terá que devolver os seis dias que já descontou nos contracheques, mas eles serão descontados novamente, desta vez parcelados em 12 vezes a partir de janeiro do ano que vem. Os outros 15 dias seriam compensados com trabalho extra nos finais de semana.

“Colocamos essa proposta em votação aqui e ela foi rejeitada por unanimidade pelos trabalhadores”, informou de Brasília Geraldo Rodrigues, o Geraldinho, dirigente da FNTC (Frente Nacional dos Trabalhadores dos Correios, oposição à Fentect) ao Portal do PSTU. “Todos ficaram muito revoltados com a manutenção do desconto, ninguém aqui concorda com isso”, ressalta o dirigente.

Comunicado publicado pela Federação nesse dia 3 de outubro informava com destaque “Comando reafirma: não negociará desconto dos dias parados” . A direção da Fentect , porém, não só negociou, como aceitou o acordo e está orientando o final da greve. “Depois de 21 dias de greve, os funcionários estavam ansiosos para voltar ao trabalho", justificou o secretário-geral da Fentect, José Rivaldo da Silva, o “Talebã”, ao Portal do G1.

Da redação SITE DO PSTU

segunda-feira, 3 de outubro de 2011

A REVOLUÇÃO SOCIALISTA É INEVITÁVEL

Pôr em pauta a discussão da necessidade dos trabalhadores em criarem um projeto voltado à sua própria classe - isso não pode ser feito fora de um partido revolucionário -, seja nos processos eleitorais ou nas oportunidades que esses partidos tenham por vacilo da direita ou pela representatividade deles no processo de luta de classe. Os partidos autênticos de esquerda sofrem constantemente as conseqüências do medo que a burguesia tem numa possível concretização da organização dos trabalhadores numa experiência socialista. Até dentro dos partidos de esquerda há filiados que expressam a ideologia pequeno-burguesa que domina as consciências hoje. Essa contradição interna só demonstra que a tarefa não é e nunca foi fácil, mas sempre houve e continuará surgindo trabalhadores dispostos em levar o projeto adiante.

Mesmo lutando contra o terrorismo ideológico propagado pela direita reacionária através de seus poderes auxiliares: meios de comunicação, judiciário, militar e econômico e, em alguns momentos, o apoio inconsciente de trabalhadores que não tem identidade de classe. Apesar disso, os partidos de esquerda acreditam e confiam na capacidade revolucionaria dos trabalhadores, seja em nosso território, seja em qualquer parte do mundo. Os processos históricos comprovam, quando a classe trabalhadora decide agir contra a opressão ela busca a auto-organização no objetivo de garantir a sobrevivência de todos. Até mesmo quando o capitalismo dá algumas concessões a classe está num processo de reconhecimento que a riqueza produzida, fruto do trabalho, é apropriada pelos seus exploradores, fazendo assim aflorar uma consciência de classe. A contradição de termos nações ricas e povos miseráveis, só poderá ser resolvida com a tomada do poder pelos trabalhadores e a implantação do modo de produção socialista.

Reacionários travestidos de militantes de esquerda têm um papel fundamental na manutenção do controle ideológico burguês. Temos muitos exemplos disso no Brasil com a eleição dos presidentes do PT e de Fernando Henrique Cardoso/PSDB, ambos de “frente popular”, tentam a todo o custo garantir que o capitalismo continue sua tirania, desde que, eles sejam o pelego que suaviza a dor dos “calos” dos trabalhadores. Os pseudos de esquerda que não tiveram a oportunidade de estar à frente do poder, propagam aos quatro cantos que estamos num processo histórico pós-moderno, assim como os teóricos neoliberais decretaram o “fim da história” - e que o acirramento da luta de classe neste momento é inviável.

Outra ala reacionária, composta pelos partidos reconhecidamente representantes da pequena parcela dos ricos brasileiros não escondem suas ideologias liberal e/ou neoliberal, basta lembrarmos as gestões de Fernando Henrique Cardoso/PSDB que entregou muitas empresas estatais lucrativas a preço de banana estragada ao capital internacional e, a nível local, os governos de Jackson Lago e de Roseana Sarney – estadual - Ildon Marque/PMDB e Sebastião Madeira/PSDB – municipal - governam exclusivamente para o empresariado em troca de fartos recursos financeiro em períodos eleitorais.

Para dar um basta na hegemonia da burguesia e do capital, precisamos aglutinar forças daqueles que lutam até contra si mesmo, mas tal aglutinação não pode estar baseada na conciliação de classe, mesmo que pontual. Entre o objetivo da classe trabalhadora e o objetivo dos patrões a classe trabalhadora sempre foi colocada de lado quando os patrões si sentiram seguros. Esse, a nosso ver, foi o principal erro das experiências revolucionárias, patrões são traidores imutáveis. Ao passo que alcançarmos um espaço devemos ter a preocupação em reforçar as bases conquistadas a todo o momento e preparar o avanço no objetivo que é a construção de uma sociedade socialista, esse tempo de preparação para o avanço deve estar em consonância com trabalhadores de outros países e continentes.

A revolução socialista é inevitável, os defensores do capitalismo e seus partidos sempre procuraram demonstrar o contrário promovendo evolução tecnológica e a possibilidade de consumo a mais pessoas, à custa da exploração do homem e dos recursos naturais, mais nunca conseguiram garantir o estado de “bem estar social” no qual se propuseram. Assim como suas promessas que nunca foram cumpridas o terrorismo contra comunistas começa a cair por terra, cabendo então acirrar ainda mais o discurso de que a única alternativa para a humanidade e para o planeta passa pelo poder nas mãos dos trabalhadores no modo de produção socialista.


Texto publicado no Jornal Notícias Populares, edição de Outubro.

terça-feira, 27 de setembro de 2011

TVPSTU - Programa Quinzenal: Lucro dos banco

Bancários iniciam paralisação em todo o Brasil, entenda como e porque os governos prezam tanto a garantia de altos lucros nas instituições bancárias e como os trabalhadores e os clientes são pilhados.