sexta-feira, 19 de março de 2010

COMUNISMO É SUBVERSÃO?

Na história da sociedade moderna a expansão da produção industrial capitalista viu surgir pessoas que observavam a forma de exploração do trabalho coletivo dos homens e também operários que não aceitavam essa exploração.

De um lado o grupo detentor dos meios de produção (fabricas) e do outro os trabalhadores que fazem com que esses meios de produção através de seu labor (trabalho) gerem lucro para o proprietário das fábricas, o patrão.

Até hoje essas relações patrão e empregado – no modo capitalista de produção – ainda imperam. Em determinado período da história os trabalhadores conseguiram vitórias importantes: redução de horário de trabalho, repouso remunerado, férias etc. Nesse mesmo período a burguesia com seu poder econômico e político, combateu a organização dos trabalhadores e perseguiu as organizações comunistas. Concederam direitos sempre procurando mostrar que esses direitos eram frutos do desenvolvimento da produção capitalista e não da pressão da classe operária além de uma permanente campanha propagandista contra os comunistas que eram classificados como subversivos e defensores da miséria dos trabalhadores.

Essa propaganda insistente, o aumento da produção barateando cada vez mais os produtos, a possibilidade de consumo aos operários além de uma apatia dos pensadores em refutar o terrorismo ao qual somos impostos foram cruciais para a situação atual dos que defendem o socialismo e por fim o comunismo.

Devido a esses e muitos outros fatores os comunistas tentam pegar o “fio da meada” e reformular suas propostas à classe trabalhadora cada vez mais “amiga do inimigo”. Hoje não somos mais capazes de identificar a figura do burguês do século XIX. Este tinha uma vestimenta que nenhuma outra classe poderia usar. Só a burguesia tinha condições financeiras de possuir charretes ou veículos automotores. Eram bens inacessíveis a um operário. Hoje, no mundo da tecnologia, da disputa por mercados e domínio do capital financeiro, um operário tem nível de consumo que já lhe permite ter automóvel, celular, boa vestimenta etc imitando o consumo de um burguês. Mas tem uma diferença “sutil”, é apenas uma imitação. O capitalista mantém a escravidão assalariada da classe trabalhadora nessa forma de produção. Lança o operário no desemprego ou rebaixa os salários quando lhes é conveniente.

Fico abismado em ver um trabalhador assalariado que recebe R$510,00 por mês defendendo a manutenção desse modo de produção explorador da classe operária, degradador do meio ambiente. Ele faz isso ao dar graças pelo emprego que garante minimamente as condições de vida e reprodução de sua classe e pelo fato de querer – mesmo que sem condições financeiras – produtos tecnológicos da moda, mesmo que pra isso, deixe saúde, educação e alimentação em segundo plano. O que importa é garantir o celular da moda que ele não vai usar nem 10% de suas funções (ligação, jogos, calculadora, agenda, foto, filmadora, Tv/Rádio, Blue Tooth, mensagens de texto, reprodutor Mp3/Mp4, Internet, Dual Chip, GPS etc.), ou seja, um aparelho que tenha várias dessas funções dificilmente ele use mais de três ou na melhor das hipóteses, cinco delas.

A lógica do capitalismo se diz democrático mas não fornece condições financeiras e nem tempo disponível para o operário participar do processo político, financia o consumo mas cobra juros extorsivos sacrificando ainda mais o assalariado, mantém a escravidão assalariada, submetendo o operário a baixos salários e ao desemprego, exclui grande parcela da população de direitos básicos, como educação e saúde, e até mesmo de necessidades elementares, como alimentação e moradia.

Para a burguesia, confrontar a lógica deste sistema que promove desigualdade social é ser subversivo.

2 comentários:

// ]]>
  1. O comunismo não é mais considerado subversão, mas o comunismo, com sua literatura, suas ideias, seus partidos, suas ações e suas críticas foram incorporados ao capitalismo como parte integrante dos sistemas democráticos em vigor. O comunismo também não é mais subversão porque ele não é desejado senão por alguns militantes, em sua maior parte da classe média, que não representam ameaça ao status quo e porque (malgrado seus discursos) eles não desejam sua transformação.
    O comunismo não é subversão porque não é um ideal desejado pela sociedade, e não é desejado porque as experiências socialistas que vigoraram no século XX suprimiram o indivíduo e suas liberdades para subjugá-lo ao Estado. Após as crises sociais que levaram à derrocada do Estado soviético, o comunismo não é mais visto como alternativa humanamente viável ao atual sistema. E não é humanamente viável porque não se conseguiu pensar o socialismo sem a imposição, a ditadura e o respeito às liberdades individuais, este último um princípio historicamente tão caro ao capitalismo e tão afastado do socialismo, seja em sua forma teórica ou prática. O grande problema é que o comunismo nasceu, em sua forma teórica, com o germe do totalitarismo.
    Afora os grupos minoritários de alguns partidos que defendem pautas do século XIX como se nada tivesse acontecido no século XX, não há mais defensores da revoluça armada ou de uma ditadura do proletariado

    ResponderExcluir
  2. Estas abismado que no Brasil o Salário e de 510 reais e não estas abismado que em Cuba o salário comunista é de 15 dólares ou 50 reais!Acorda Zè Burrão!

    ResponderExcluir

Não veto comentário de ninguém, pois apenas os covardes se escondem por trás de um anonimato. Não seja você um.